Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +
‘Alcaide’ puxou por Tamila na piscina de Maximinos
Divulgação do VIII Torneio Internacional Cidade de Famalicão

‘Alcaide’ puxou por Tamila na piscina de Maximinos

Montalegre faz três anos de terra Património Agrícola Mundial

‘Alcaide’ puxou por Tamila na piscina de Maximinos

Desporto

2021-03-05 às 06h00

Rui Serapicos Rui Serapicos

Nadadora Olímpica que completa este mês 22 anos conversou com a página Desporto & Saúde do Município de Braga e contou como começou a prática desportiva, falou de treinos e estudos.

Fernando Albino, um treinador já reformado é mais conhecido em Braga como o ‘Alcaide’ foi quem estimulou Tamila Holub ainda criança para ela evolui na natação. Em aulas na Piscina Municipal de Maximinos “era suposto eu estar no grupo dos mais novos e o Alcaide pediu que eu desse um salto; eu era bem maior do que os outros e fui parar logo ao meio da piscina. Por isso, ele disse: não, vai ter com os mais velhos. As outras crianças faziam cinco pistas e eu fazia sete. Ele puxava um bocadinho mais por mim, porque se calhar via que eu conseguia”, lembrou a nadadora, que esteve nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro em 2016 e volta a ter apuramento para Tóquio 2020, entretanto adiados para 2021.

“Naquela fase, a minha mãe trabalhava muito e não tínhamos carro. Por isso eu, com 6 ou 7 anos, ia a pé para a piscina. Era muito divertido. Já era responsável. Gostava imenso”, lembrou, em declarações que prestou via Facebook, através de Zoom, em conversa com Sofia Araújo e Miguel Caldas, na página do Município de Braga ‘Desporto e Saúde’.
Começando por auto-definir-se como “rapariga normal que faz o que gosta, e que tem a sorte de conseguir fazê-lo bem”, Tamila vincou que se dedica “a 100% à natação, por isso posso descrever-me como responsável e muito dedicada a algo”.

“Eu tento ser muito positiva e sorridente, já sofro o suficiente dentro de água”, realçou .
Por isso, prosseguiu, “é muito importante manter o pensamento positivo fora de água, sorrir o maior número de vezes possível. Curiosa penso que é também uma palavra que me descreve. Tento sempre aprender algo novo”.
Nascida em Tcherkássi, a cerca de 300 km de Kiev, em Março de 1999, a nadadora explicou que a Ucrânia encontrava-se em situação instável e os pais vieram para Portugal — primeiro o pai, que já tinha cá amigos. Depois veio a mãe. Tamila ficou com a avó cerca de um ano na Ucrânia. Depois veio ter com os pais e desde os 3 anos vive em Braga.

“A fase de adaptação foi fácil para mim, porque para as crianças é sempre mais fácil aprender uma língua nova. Para os meus pais foi muito mais difícil. Andei num colégio em Portugal, andei no colégio de Nossa Senhora das Graças. A partir daí o percurso foi normal.A única coisa fora do normal, realmente, foi a natação”, considerou.
“Sentia saudades e orgulho, porque a Ucrânia tem uma cultura e história muito rica. Gostava, e ainda gosto, de aprender músicas tradicionais, poemas e literatura. Gosto e acho graça. Mas neste momento orgulho é a última coisa que eu sinto pela Ucrânia. É mais tristeza, ver como um país que teve um passado tão grande veio parar ao estado em que está agora” — confessou a nadadora, que se encontra em estágio de preparação.

“Se um cadete com 9 ou 10 anos precisa de faltar a um treino para estudar para um teste, algo está mal”

“Até ao 9.º ano é bastante fácil”, respondeu Tamila quando questionada sobre os esforços de conciliar competição e estudos.
“É estar atento na aula e de vez em quando dar uma vista de olhos. Quando agora eu vejo infantis ou cadetes a faltar a um treino porque têm de estudar para um teste, ou porque têm explicações eu fico parva. Se um cadete com 9 ou 10 anos precisa de faltar a um treino para estudar para um teste, algo está mal”, salientou.
“No secundário já é diferente. Tens que estudar, tens que estar sempre lá. A mim, calhou-me o 11.º ano num ano de qualificação para os Jogos Olímpicos de Rio 2016. Esse foi de longe o ano que me custou mais, porque a carga escolar é muita. Além disso, estava a treinar duas horas de manhã e três horas à tarde, a faltar meses para estar em Sierra Nevada em estágios. Mas não se pode deixar os estudos à parte”, acrescentou.

“Era muito gozada na natação e escola, pela ascendência “

Bullying entre atletas foi outro tema da conversa. “Senti, as crianças não têm muita noção dos sentimentos”, recordou, adiantando que “eu era muito gozada na natação e na escola, pela minha ascendência ucraniana e eu também tinha uma personalidade complicada”. “As pessoas que mais gozavam comigo e as que me chateavam mais são as pessoas de quem eu agora tenho mais saudades. Em geral eram rapazes, porque era com eles que e treinava. O grupo desfez-se e foi complicado para mim”, admite. A primeira competição foi em Ponte de Lima.
“Recebi a primeira medalha de participação, davam a todos. É uma medalha simples, mas quando eu olho para ela sei que é a primeira medalha”, destacou ainda.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho