Correio do Minho

Braga, sexta-feira

Agudiza-se a 'guerra' entre SC Braga e Câmara de Braga
Piscina de Ferreiros presta “excelente serviço público”

Agudiza-se a 'guerra' entre SC Braga e Câmara de Braga

Jovens de Vieira do Minho tornam-se ‘vigilantes’ da Serra da Cabreira

Desporto

2018-03-19 às 06h00

Carlos Costinha Sousa

SC Braga enviou uma carta aos órgãos municipais apresentando as reservas do clube sobre o caso Cidade Desportiva.

Avança-se para o estado de guerra aberta entre o Sporting Clube de Braga e a Câmara Municipal de Braga, tudo motivado pelo caso Cidade Desportiva, com o clube a não mostrar vontade de aceder às exigências da autarquia quanto à criação de um espaço polivalente (sala) com 800m2 para utilização exclusiva do município, de um gabinete de apoio e dois balneários, conforme se pode ler na carta enviada pelo clube arsenalista aos órgãos municipais, incluindo as freguesias.

Na carta de quatro páginas, o presidente do SC Braga afirma reservas em relação a determinadas contrapartidas que nos são exigidas, referindo-se ao tal espaço desportivo, inserido no pavilhão que vai nascer na infra-estrutura existente que era para albergar as piscinas olímpicas, afirmando que o clube não pode ter nas suas instalações um corpo estranho que impeça de prosseguir o seu intento ou a sua actividade ou desenvolvimento.
O presidente arsenalista diz ainda na missiva que o SC Braga já vai investir 30 milhões de euros na totalidade das obras e lembra que estes custos seriam consideravelmente inferiores (mesmo considerando a aquisição de terrenos) se o clube tivesse optado por implementar a Cidade Desportiva noutro local.

Salvador lembra ainda que os 40 anos de doação dos terrenos ao SC Braga com possível renovação se existir acordo entre as partes para o efeito não fazem sentido, apontando para uma solução mais à medida do clube, perante uma doação pelo mesmo prazo aceitando a constituição do direito de superfície em vez da doação e o prazo inicial de 40 anos para a sua vigência, é imperioso para o SC Braga que se estipule a renovação automática por iguais períodos de tempo salvo oposição à renovação pelo próprio clube.
O presidente termina a carta referindo a intenção de resolver o impasse actual nas negociações inerentes ao contrato de constituição do direito de superfície e com isso permitir a outorga do contrato e a continuação do desenvolvimento do projecto da Cidade Desportiva SC Braga, por todos louvado e de elevado interesse e importância para o desenvolvimento do desporto.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.