Correio do Minho

Braga, segunda-feira

Agentes da PSP julgados por agressão a adepto
PASEC leva projeto Origins ao Quénia e Tanzânia

Agentes da PSP julgados por agressão a adepto

Póvoa de Lanhoso: Turma do Centro Escolar do Cávado na final das Olimpíadas do Património

Casos do Dia

2019-02-21 às 09h00

Teresa M. Costa

Tribunal da Relação pronunciou para julgamento 11 agentes do Corpo de Intervenção da PSP do Porto por agressão a adepto, em Guimarães.

O Tribunal da Relação de Guimarães decidiu pronunciar para julgamento 11 agentes do Corpo de Intervenção da PSP do Porto pela prática, em co-autoria, de um crime de ofensa à integridade física grave, qualificada, na sequência da agressão a um adepto do Boavista, a 3 de Outubro de 2014, em Guimarães.
Com esta pronúncia, divulgada ontem, o Tribunal da Relação dá provimento aos recursos interpostos pelo Ministério Público e pela vítima, que se constituiu assistente, considerando "suficientemente indiciados" os factos constantes na acusação.
"Nos termos da acusação, o Ministério Público considera indiciado que os arguidos, no dia 03.10.2014, tinham sido destacados enquanto efectivos do Corpo de Intervenção da PSP do Porto para, em Guimarães, zelar pelas questões de segurança colocadas pelo jogo da 7.ª jornada da Liga Zon /Sagres, entre o Vitória de Guimarães e o Boavista" refere a Procuradoria-Geral Distrital do Porto em comunicado.
A mesma fonte judicial descreve que, no contexto da segurança ao jogo," à chegada dos autocarros que transportavam os adeptos do Boavista, um dos arguidos abordou um destes adeptos instando-o a que se movimentasse para determinado local; e como este não o tivesse feito de imediato, derrubou-o ao solo, colocou-lhe um joelho por cima das costas e fê-lo permanecer deitado no solo de cara para baixo".
"De seguida, ele e outros dois arguidos, bateram no referido adepto, nomeadamente com cotoveladas, pontapés, socos e pancadas de cassetete, enquanto os demais arguidos os integraram no interior de um círculo que formaram e assim impediram que lhes fosse prestado socorro" acrescenta a acusação acolhida pelo Tribunal da Relação. A acusação refere ainda que, "como consequência destes factos a vítima sofreu, além do mais, perda do globo ocular direito, com as inerentes perda total de visão e alterações faciais". 

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.