Correio do Minho

Braga, terça-feira

“Adega Cultural será um ponto de viragem para Vila Verde”
Dumiense: Na luta por lugares cimeiros

“Adega Cultural será um ponto de viragem para Vila Verde”

Berço estreia-se na Pró-Nacional com vitória sobre o Santa Maria

Cávado

2018-08-10 às 06h00

Marta Amaral Caldeira

António Vilela, presidente da Câmara de Vila Verde, garante que obra vai regenerar malha urbana. A primeira pedra acaba de ser lançada.

“Esta obra será um ponto de viragem para Vila Verde”, garantiu, ontem, António Vilela, presidente da Câmara Municipal de Vila Verde, no momento em que era lançada a primeira pedra da Adega Cultural de Vila Verde. A obra, que ascende aos três milhões de euros de investimento, deverá estar concluída dentro de um ano e meio.
O projecto prevê a reabilitação do antigo edifício da adega, mas também do seu espaço envolvente - num total de mais de 20 mil m2, dignificando toda aquela área urbana e transformando-a num novo pólo cultural e comercial do concelho de Vila Verde. Destes 20 mil m2, sete mil são edificados e 12 mil correspondem à área exterior.
“Esta é uma obra estruturante para o concelho, que marcará de forma definitiva o urbanismo e a regeneração desta zona, tornando-se num novo núcleo urbano, mas também para todo o concelho, pois o objectivo é que aqui funcione um mercado de produtos locais, além de exposições e de uma grande sala de espectáculos e congressos - que não existia ainda em Vila Verde e que já fazia falta”, sublinhou o autarca vilaverdense.
O projecto só é possível via fundos comunitários - Plano de Acção de Regeneração Urbana - que comparticipa a empreitada em 85 por cento, sendo os restantes 15 por cento de responsabilidade municipal.
O edil de Vila Verde apontou também para a importante regenaração naquela área urbana, já que ali existia um canil e uma lixeira a céu aberto. “Passaremos a ter aqui também uma bonita zona verde para lazer e recreio, dotada de um parque de skate, apto para a prática de paddel e um parque infantil”, detalhou António Vilela.
Na cerimónia esteve, além da equipa do executivo municipal, Fernando Freire de Sousa - presidente da CCDR-Norte, que destacou a forma como Vila Verde se desenvolve juntando “tradição e modernidade” - assinalando que são obras destas que fixam população nos territórios.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.