Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
‘Acertar agulhas’ do caminho que liga Braga a Santiago
Esposende promove Festival do Teatro de Rua de 23 a 25 de agosto

‘Acertar agulhas’ do caminho que liga Braga a Santiago

Noite de apoteose em Amares na antestreia de “Variações

‘Acertar agulhas’ do caminho que liga Braga a Santiago

Braga

2019-07-22 às 08h04

Redacção Redacção

Associação Jacobeia do Caminho da Geira Minhoto Ribeiro pede “reunião urgente” sobre o caminho de Braga a Santiago.

A Associação Jacobeia do Caminho da Geira Minhoto Ribeiro (AMR) solicitou “uma reunião urgente” ao Conselho da Cultura e Turismo do governo regional da Galiza com “o objectivo de procurar unificar critérios” sobre o caminho que liga Braga a Santiago de Compostela, na distância de 240 quilómetros.
“É desejável estabelecer critérios objectivos em relação à sua denominação, traçado, marcação e conteúdos a divulgar, o que contribuirá para a consolidação do projecto”, refere a AMR, presidida por Abdón Fernández, numa carta enviada ao conselheiro Román Rodríguez Gonzalez.

A AMR adianta em comunicado que “discorda de procedimentos de certas colectividades envolvidas no objectivo de oficializar esta via histórica de peregrinação como trajecto oficial a Santiago de Compostela até ao Ano Santo Jacobeu de 2021”.
A associação, com sede em Ribadavia (Espanha), explica que “sempre entendeu este projecto como uma proposta construtiva e vantajosa para as comarcas que atravessa, para a construção do qual ninguém deve valer-se de verdades absolutas ou investir-se de uma oficialidade que só pode ser concedida pelas instituições publicas competentes”.

A associação considera “necessário constituir um grupo de trabalho para harmonizar propostas, sem qualquer protagonismo em particular e com o único e primordial objectivo de não prejudicar o projecto ou confundir os peregrinos”. “Defendemos o consenso e a harmonização de critérios, sem ignorar as diversas associações, entidades ou grupos interessados neste projecto, para evitar uma série de problemáticas, como a deficiente informação, que podem ser altamente prejudiciais no processo de oficialização desta via em breve e, sobretudo, não prejudique os peregrinos”, adianta a AMR.
Por outro lado, pede que “os possíveis subsídios que sejam concedidos e as acções de marcação em curso se executem com eficiência e rigor, em conformidade com as autorizações das entidades competentes”.
Em Novembro de 2018 a AMR já tinha solicitado a intervenção do presidente da Academia Jacobeia, Xesus Palmou, no sentido de promover um encontro entre as associações envolvidas na promoção e estudo do Caminho Jacobeu da Geira.

O primeiro traçado do Caminho Jacobeu da Geira [que se mantém no essencial] foi apresentado em Ribadavia (Espanha) a 9 de fevereiro de 2017 e no dia 1 de abril seguinte em Braga, pela AMR, constituída em 2006 com o objetivo de investigar e promover este itinerário.
Ainda não possui albergues, nem está marcado, pelo que deve usar-se GPS, e foi percorrido desde 2017 por mais de 500 pessoas. Este ano 169 já receberam a Compostela, desde que a 28 de Março a Igreja reconheceu o traçado como de peregrinação jacobeia. A estes juntam-se poucos outros a quem foi entregue nos últimos dois anos – a primeira a 22 de Maio de 2017.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.