Correio do Minho

Braga,

Abertura do município às pessoas é marca distintiva deste executivo
INL mostra tecnologia para incorporar no avião

Abertura do município às pessoas é marca distintiva deste executivo

Município de Esposende adquire mais terreno para expandir Galaicofolia

Braga

2018-03-17 às 07h00

Patrícia Sousa

I Fórum Regional da Rede de Autarquias Participativas realizou-se, ontem, em Braga. Município é já um exemplo de democracia participativa reconhecido externamente, assumiu António Barroso, do Gabinete de Apoio à Presidência.

O reconhecimento externo já é uma realidade, porque o Município de Braga é um exemplo de democracia participativa. E se há marca distintiva e muito forte do actual executivo é a abertura do município às pessoas, assumiu, ontem, António Barroso, do Gabinete de Apoio à Presidência da Câmara Municipal de Braga, anunciando que Braga vai apresentar candidatura para acolher os Encontros Ibéricos de Orçamentos Participativos, que este ano se realizam na Corunha, Espanha.
A participar no I Fórum Regional 2018, promovido pela Rede de Autarquias Participativas, António Barroso adiantou que é importante que Portugal dê cartas nesta matéria. O fórum promovido ontem num modelo muito mais alargado do que estava previsto inicialmente é prova de que é necessário fazer algo mais abrangente.
Desde os vários Orçamentos Participativos, às inúmeras iniciativas descentralizadas, como são as reuniões de câmara e as assembleias municipais, passando pelo atendimento semanal à população quer dos vereadores e quer do presidente, ou pelo Provedor do Munícipe, a autarquia bracarense continua a trabalhar par dar continuidade a esta aproximação à sociedade. Em jeito de reconhecimento, Braga foi convidada pelo Observatório Internacional da Democracia Participativa (OIDP) para estar presente numa conferência do Conselho da Europa que irá decorrer no próximo mês de Junho, em Bilbau, Espanha.
E nesta matéria, Braga é um exemplo, aplaudiu o presidente da Rede de Autarquias Participativas, José Manuel Ribeiro.
Para o também presidente da Câmara Municipal de Valongo, Braga soube perceber a importância desta nova tendência política, criando os mecanismos e os canais necessários para uma participação activa da sociedade, esperando que todos os municípios percebam a tempo a importância do abrir a porta aos mecanismos de democracia participativa.
A Rede de Autarquias Participativas, continuou o actual presidente, nasceu há dois anos como uma rede informal, onde entra quem quer. Depois da primeira presidência ter sido da Câmara Municipal de Cascais, segue-se a Câmara Municipal de Valongo. Temos nova presidência, eleita há pouco tempo, que conta ainda com os municípios de Braga, de Guimarães, de Lagoa (Açores) e de Cascais, contou José Manuel Ribeiro, realçando o facto de alguns dos municípios serem ainda sócios do Observatório Internacional da Democracia Participativa, sediado em Barcelona.
A democracia participativa é, concluiu ainda o presidente, uma realidade muito importante e que Portugal soube acompanhar. E neste contexto, o autarca admitiu que a rede é muito respeitada e activa.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.