Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Abel Ferreira: A montanha é grande, a escalada também, mas vamos trabalhar
Alteração do Plano Diretor Municipal de Celorico de Basto em discussão pública

Abel Ferreira: A montanha é grande, a escalada também, mas vamos trabalhar

Bombeiros Sapadores em luta por valorização da carreira

Desporto

2018-02-16 às 06h00

Carlos Costinha Sousa

Abel Ferreira admitiu que a equipa se intranquilizou com o golo sofrido aos quatro minutos e não conseguiu encontrar-se em campo. Técnico reconhece dificuldades, mas diz que não há impossíveis.

A montanha é grande, a escalada vai ser difícil, mas vamos trabalhar para conseguirmos dar o nosso melhor e garantir o que for possível. É a receita - a única neste momento - que o SC Braga pode apresentar para o jogo da segunda mão dos 16 avos--de-final da Liga Europa.
A derrota em França foi pesada e deixou, certamente, marcas no plantel bracarense, com o treinador Abel Ferreira a admitir que o golo que a equipa sofreu muito cedo no jogo, e a forma como o sofreu, acabou por definir muito o jogo, intranquilizando a equipa. Acho que a análise à nossa exibição e a este jogo depende da forma como olhámos para o que aconteceu no jogo. Sabíamos que tínhamos que estar na máxima eficácia defensiva e ofensiva para conseguirmos algo deste jogo. E a forma como sofremos o primeiro golo acaba por definir muito do que foi esta partida, começou por referir o treinador, para logo explicar: tínhamos a estratégia bem definida, sempre a pensar em encurtar muito a equipa, estando sempre muito próximos e cortar os caminhos ao jogo do Marselha. No entanto, o golo aos quatro minutos intranquilizounos e o adversário acabou por ser superior.

Para Abel, depois do golo sofrido, a equipa não conseguiu encontrar, em campo, uma forma de jogar e de contrariar o adversário - não fomos fortes nos duelos - e quando procuravam dar uma resposta, o segundo golo do Marselha surgiu, num lance logo após uma paragem longa no jogo e em que houve falhas de concentração.
Na segunda parte o adversário aumenta a vantagem e chega ao golo após uma paragem longa no jogo. Numa altura em que a concentração tinha que estar ao máximo não aconteceu e acabámos por sofrer um segundo golo que marca muito o jogo, considerou, lembrando ainda que já tinha considerado que este é talvez o melhor Marselha dos últimos dez anos.

A receita passava por ser uma equipa altamente eficaz quer a nível ofensivo, quer a nível defensivo, para conseguir vencer o jogo. Tal não aconteceu, mas, segundo Abel Ferreira, a derrota vai dar uma lição. A tarefa está mais difícil, mas jogámos em nossa casa e já mostrámos várias vezes que aprendemos com as derrotas, tiramos ilações, vamos ver os erros, analisar e crescer.
E, apesar de admitir que a tarefa dos Guerreiros do Minho é extremamente difícil, o técnico lembra que não há impossíveis no futebol e que tudo pode acontecer. O que sabemos é que ainda falta um jogo e a tarefa está mais dificil. O adversário tem uma vantagem confortável, mas há um jogo em nossa casa e no futebol tudo é possível. A montanha é grande, a escalada vai ser difícil, mas vamos trabalhar para conseguirmos dar o nosso melhor e garantir o possível.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.