Correio do Minho

Braga, quinta-feira

- +
A tradição da Galiza encontra-se com a eletrónica no CIAJG
Braga é exemplo na transição para uma economia de futuro

A tradição da Galiza encontra-se com a eletrónica no CIAJG

Nico Gaitán à espreita para fazer estreia com a camisola bracarense

A tradição da Galiza encontra-se com a eletrónica no CIAJG

Vale do Ave

2020-09-28 às 09h15

Redacção Redacção

As normas sanitárias implicam uma redução na lotação do CIAJG e todas as imposições das autoridades de saúde serão escrupulosamente cumpridas. Tendo em conta as limitações impostas pela pandemia, os espectadores são obrigados a usar máscara ao longo de todo o concerto. Por isso, na compra de um bilhete para o Terra 2020 será oferecida uma máscara com design exclusivo. 

O que há em comum entre um aturuxo, grito tradicional galego, e uma sessão de clubbing? É a essa pergunta que tenta responder Baiuca, um projeto do músico e produtor Alejandro Guillán, que se constrói no cruzamento entre o cancioneiro tradicional da Galiza e a música eletrónica. Esta é a segunda proposta do ano no ciclo de músicas do mundo Terra, programado pela Capivara Azul – Associação Cultural, e que ocupa o Centro Internacional das Artes José de Guimarães até novembro.
Baiuca apresenta-se em Guimarães em formato especial, tocando ao vivo ferramentas contemporâneas (sintetizador, sampler) e instrumentos tradicionais como flautas e ocarinas. É acompanhado por Xosé Luís Romero, um dos mais importantes percussionistas galegos. Romero lidera também a banda de música tradicional Aliboria, de quem Baiuca reconstruiu o disco de estreia para fazer o EP Misturas, editado no ano passado. Andrea e Alejandra Montero, duas das vozes do grupo, também se juntam ao concerto, que terá projeções realizadas em direto pelo videoartista Adrián Canoura.
É a primeira vez que Baiuca se apresenta neste formato em Portugal e o concerto tem todos os ingredientes para ser especial. O espetáculo está marcado para o dia 2 de outubro, na Black Box do CIAJG (21h30). Esta é a segunda proposta do ciclo de músicas do mundo Terra, depois da estreia da programação deste ano, no passado dia 18 de setembro, com o concerto da lenda-viva do Funaná de Cabo Verde Julinho da Concertina. O ciclo prolonga-se até 28 de novembro, quando subir ao palco do CIAJG Kel Assouf, projeto criado pelo músico Anana Harouna do Níger quando se estabeleceu na Bélgica, depois de um longo exílio na Líbia, durante a rebelião tuaregue do início dos anos 1990. 
As normas sanitárias implicam uma redução na lotação do CIAJG e todas as imposições das autoridades de saúde serão escrupulosamente cumpridas. Tendo em conta as limitações impostas pela pandemia, os espectadores são obrigados a usar máscara ao longo de todo o concerto. Por isso, na compra de um bilhete para o Terra 2020 será oferecida uma máscara com design exclusivo. 
 

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho