Correio do Minho

Braga, sábado

- +
'A Perdiz e o Sacrifício': sexto capítulo do livro de José Manuel Cruz
Apresentado Modelo de Co-gestão do PNPG

'A Perdiz e o Sacrifício': sexto capítulo do livro de José Manuel Cruz

S. Tiago da Cruz reabilita Largo Senhor dos Aflitos

'A Perdiz e o Sacrifício': sexto capítulo do livro de José Manuel Cruz

Braga

2021-07-01 às 18h05

Redacção Redacção

Faz-se o homem pela casa, faz-se a casa pelo homem. Somos rechaçados de onde nascemos, somos espoliados do que chegamos a julgar nosso, e erramos, até que numa volta do caminho nos sentimos em nós novamente. João e Vicente – simétricos e complementares. Primeira página do sexto capítulo. Todas as semanas aqui pequenas pinceladas literárias deste novo livro que pode ver em breve numa livraria perto de si!

6

Descendo da enfermaria à piscina, rememoro a subida. Casarão que de pouca luz se mostrava, castiçais de pé de uma vela acesa nas viragens cardeais, lamparinas de azeite de onde em onde. Comento a prodigalidade.
«Repulsivo à boca – respondera o nosso mordomo –, estragava o que deveria adubar. E tão raro é recebermos gente sol-posto, que nem velas de sebo tínhamos no quanto bastasse. Mexem-se as paredes, às vezes, foge o soalho, noutras marés.»
Explicação corrida, sem resquícios de reprimenda pelo deslize de opinar sobre o economato de casa alheia. Casarão que serventias impróprias coçaram, que acrescentos infelizes feriram, nos lamentos do prestável Vicente Pires, e que cabedais comprimidos não chamavam a remodelação e restauro expedito.
«Um milagre estar ainda de pé e garboso – continuara –, teimando ante estalos, rachas e desvios. Isto é muito peso para pouco fundamento.» Discorria, por ciência ou despeito, como mestre-de-obras não faria melhor, enquanto subíamos, amparando frei José.

«Não há de abater por hoje – comentei, forçando uma naturalidade e desprendimento que não sentia, mas que se impunha, contra um sentimento de distanciamento que os meus silêncios acarretariam.»
«Não, hoje não, por certo, nem amanhã, que dessa cunha-mestra se encarrega o senhor prior. Ele tem-se falado de obras e ampliações, vai para oito anos, mas o bisegre continua empatado. Já o órgão novo que prantaram na igreja ali atrás, vai para os mesmos oito anos, queria eu saber para que serve o mostrengo. Peneiras de pobre, ou engana-meninos.»

Fastos na ponta da língua. Frases curtas, história rápida, descargas troantes de artilheiro. Que muito haviam sofrido aqueles soalhos e tabiques, a desgaste intenso sujeitos, reportava por desconto de penúrias e desgraças. Que requisitado fora com a guerra, primeiro como aquartelamento, depois para hospital militar. Que melhor casario não havia pelas proximidades, juntando num só o que por hospital contava, mais a Casa Real.
Absorto com as minhas preocupações, retinha eu mais, não obstante, do que no átimo dava acordo. Detalhes que muito diziam a Vicente Pires, que daqueles pátios e telhados falava como de casta amada. Talvez cura milagrosa devesse àquelas águas, medicina que, no entanto, nenhum benefício traria a frei José, que de outro nestas horas padecia.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho