Correio do Minho

Braga, quarta-feira

À espera que na fortaleza da Pedereira aconteça um milagre
Município de Braga apoia associações para acabar com colónias descontroladas de gatos

À espera que na fortaleza da Pedereira aconteça um milagre

B Fachada, Emmy Curl e Joana Espadinha participam na Green Week de Guimarães

Desporto

2018-02-21 às 06h00

Joana Russo Belo

SC Braga tem uma missão, à partida, quase impossível, amanhã, frente ao Marselha. Mas, em casa, tem sido letal nos jogos europeus.

A missão parece, à partida impossível. Mas os Guerreiros do Minho partem com a esperança de que a fortaleza da Pedreira permita um milagre. Abel Ferreira já deixou a garantia de que vão lutar até ao último segundo, já que pela frente o SC Braga tem a tarefa de virar do avesso uma eliminatória que, neste momento, parece perdida, depois do desaire por 3-0, no Stade Vélodrome, no confronto com o Marselha, da primeira mão dos 16 avos-de-final da Liga Europa.

A desvantagem de três golos trazida na bagagem de França deixa antever uma tarefa complicada, mas o registo caseiro dos arsenalistas dá confiança à equipa, a par do mau desempenho dos franceses em solo luso.
É que o Marselha nunca venceu em seis deslocações a Portugal e a mais recente das cinco derrotas aconteceu esta época, na fase de grupos, e está bem presente na memória dos minhotos. Em Guimarães, em casa do Vitória SC, o Marselha foi derrotado em Novembro, por 1-0, na quarta jornada do Grupo I, com um golo de Hurtado.
A esperança bracarense tem fundamento quando se analisa o percurso do SC Braga nos jogos europeus: em casa, os guerreiros ganharam quatro dos últimos cinco jogos esta época - AIK (2-1), FH Hafnarfjordur (3-2), Basaksehir (2-1) e Hoffenheim (3-1) - e, no Estádio Municipal, o registo nos 16 avos-de-final é de apenas uma derrota, com o Besiktas (0-2, em 2011/12).

Entre os dados estatísticos, o SC Braga apurou-se cinco vezes e foi eliminado outras tantas após perder a primeira mão fora de portas. Nas últimas três ocasiões, conseguiu inverter a eliminatória a seu favor, incluindo as meias-finais da Liga Europa de 2010/11, frente ao Benfica, em que um golo de Custódio ditou a vitória por 1-0 em casa, depois do 2-1 na Luz, e confirmou a mítica final de Dublin. Nesse ano, nos 16 avos, os arsenalistas deram também a volta, em casa, frente ao Lech Poznan (2-0), depois do desaire por 1-0 fora.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.