Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +
8ª edição do projeto "Pergunta ao Tempo" resulta na exposição “Relógio de Bolso” com cerca de 500 intervenientes
Eliminação de portagens na A28 entre Esposende e Viana do Castelo “valoriza mobilidade interna e agentes económicos”

8ª edição do projeto "Pergunta ao Tempo" resulta na exposição “Relógio de Bolso” com cerca de 500 intervenientes

Município de Viana investe 7,1 milhões na compra de autocarros eléctricos

8ª edição do projeto ´Pergunta ao Tempo´ resulta na exposição “Relógio de Bolso” com cerca de 500 intervenientes

Vale do Ave

2024-06-12 às 12h00

Redacção Redacção

Exposição inaugura nos dias 13, 14, 17 e 18 de junho na Casa da Memória de Guimarães

Citação

A 8ª edição do “Pergunta ao Tempo” – projeto desenvolvido anualmente pela equipa de Mediação Cultural d’A Oficina no âmbito da programação da Casa da Memória de Guimarães – operou uma revolução na sua estrutura, ganhando este ano mais alcance territorial e social. Trata-se de um projeto intergeracional de comunidade, através de uma troca de correspondência criativa entre as crianças das catorze escolas participantes e idosos de catorze instituições de vários pontos do concelho de Guimarães, cujos frutos vamos poder conhecer dentro de poucos dias num novo e amplo trabalho expositivo a inaugurar na Casa da Memória.

Uma grande novidade desta edição do "Pergunta ao Tempo" é o envolvimento da comunidade local de forma mais direta e participativa, já que, a par das catorze turmas do 4º ano de cada agrupamento escolar de Guimarães que costumam, a cada ano, participar no projeto, foram também convidadas catorze instituições e grupos informais de idosos da área geográfica de cada uma destas escolas. Ao longo do projeto, concretizado durante o ano letivo que agora se aproxima do fim, trocaram cartas e conversaram sobre como era a vida no passado, criando um autêntico retrato social de como se vivia em Guimarães nas primeiras décadas do século XX, num cruzamento que gerou as histórias que inspiraram a criação artística que estamos prestes a conhecer.

Sob o mote “Relógio de Bolso”, as crianças usaram as palavras, os desenhos e colagens para escrever a alguém que não conheciam mas que sabem o nome e um pouco da sua história de vida. Imaginaram como seria essa pessoa quando era criança e colocaram no papel toda a vontade que sentiam de a conhecer melhor. A comunidade sénior acolheu as cartas e revisitou o seu passado, respondendo e envolvendo-se nesta comunicação geracional experiencial, valorizando o conhecimento empírico e o saber inscrito no corpo pela prática. Desta forma, “Perguntar ao Tempo” é também estimular diálogos de saberes e ir em busca do património imaterial junto dos guardiões das estórias, dos rituais e dos costumes deste território.

Esta nova exposição consiste numa ação artística coletiva que resulta do envolvimento e participação de quase 500 pessoas, entre crianças, idosos, professores, técnicos, interlocutores das instituições, ganhando assim corpo em formato de exposição, em diálogo com a Casa da Memória, composta por cadernos, registos fotográficos e uma instalação com centenas de esculturas de barro suspensas no espaço e na memória.

E foi desta forma, em coautoria, que as crianças e os idosos desenvolveram os objetos artísticos que vamos poder ver nesta exposição apresentada em primeira mão em vários momentos inaugurativos a decorrer nos dias 13, 14, 17, 18 de junho, sempre às 10h30 e às 14h30. Momentos estes que serão também de encontro entre as crianças e os idosos que trabalharam juntos.

O “Pergunta ao Tempo” é um projeto anual de investigação e de criação artística patrimoniais desenvolvido pela equipa de Mediação Cultural d’A Oficina (dirigida por Francisco Neves) para a Casa da Memória de Guimarães (com direção artística de Catarina Pereira), que gira em torno do património local, contando com Patrícia Geraldes nesta 8ª edição enquanto artista convidada para assumir a direção criativa e curadoria do projeto, que anualmente conta com a coordenação e mediação de Marta Silva.

Esta exposição fica patente na Casa da Memória de Guimarães até outubro deste ano, num convite permanente a todas as pessoas curiosas que a desejam ver e conhecer de perto.
De lembrar que a Casa da Memória de Guimarães pode ser visitada por público de todas as idades de terça a sexta-feira, das 10h00 às 17h00, e ao sábado e domingo, das 11h00 às 18h00, encontrando-se a informação respeitante à mesma e respetiva programação disponível online em www.aoficina.pt e www.casadamemoria.pt.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho