Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Viagens (ir)racionais

O que nos distingue

Conta o Leitor

2015-07-29 às 06h00

Escritor

Ramon Gerardo Suarez

Hoje comprei uma viagem! Já tenho destino! Chamaram-me de impulsivo, louco e pouco racional quando contei que ia viajar por uns dias. E acho que têm alguma razão. Afinal de contas comprei uma viagem com o resto do dinheiro que tenho e a minha fonte de rendimentos é muito pequena para essas “loucuras”! De qualquer das maneiras é a única forma racional que eu vejo de viajar, ou seja, decidir viajar sem pensar muito! E no momento de comprar a viagem, neste caso vou usar o avião como meio de transporte, não devemos hesitar quando encontramos um preço atrativo para visitar um local que ansiamos conhecer há tanto tempo. É assim que eu vejo e analiso este meu jeito (ir)racional no que toca a viajar!

Se mantivermos aquela “mania” de procrastinar as viagens que gostaríamos de fazer, então mais vale nem perder tempo nem energia a pensar nisso. Porque é que há tanta gente que mantém aqueles desejos de viajar e dar a volta ao mundo, ou dizem constantemente que querem visitar este ou aquele lugar, mas demoram uma “eternidade” para tomar uma decisão que muitas vezes já sabem que nunca a irão tomar. O mais engraçado é que a maioria das respostas que dão, quando questionados porque não fazem as tais viagens que desejam, é quase sempre por causa do dinheiro ou porque não têm tempo.

Não me consigo enquadrar neste tipo de mentalidade. Claro que estou a falar de pessoas que gostam ou dizem que gostam de viajar. Mas aqui também arrisco englobar outras coisas para além das viagens. Pessoas que estão sempre a dar desculpas para adiar ou não fazer alguma coisa normalmente são aquelas pessoas que considero não saberem aproveitar a vida. Essas pessoas muito dificilmente terão sucesso pois não têm a coragem necessária para arriscar. E em relação à decisão de viajar ou não viajar temos que ser um pouco irracionais e arriscar.

Depois de comprada a viagem, ou depois de decidir como chegar ao destino escolhido, podemos e devemos perder algum ou muito tempo a planear outros detalhes da viagem como o alojamento, locais a visitar, averiguar alguma localidade próxima do local de destino que desperte alguma curiosidade para conhecer e/ou eventos culturais que acontecerão durante o período de visita. No meu caso sou ade-pto do planear algumas coisas para melhor aproveitar o tempo de estadia, mas nada de planos muito elaborados nem para seguir à risca. Por vezes é quando menos esperamos que surgem as melhores oportunidades. Tenho esse exemplo.

Durante uma visita de alguns dias a Praga, na República Checa, decidi mudar a rota que tinha planeado inicialmente para visitar a Polónia. Queria visitar Auschwitz, um dos antigos campos de concentração nazi durante a segunda guerra mundial. Descobri que Auschwitz ficava a 60 minutos de distância de Cracóvia que por sua vez ficava sensivelmente a 8 horas de viagem de comboio de Praga. E era possível realizá-la durante a noite. Mais uma vez nem hesitei. Mais uma vez fui (ir)racional. Como a viagem era durante a noite, aproveitava para descansar e assim o meu tempo seria rentabilizado.

E assim foi. Cheguei bem cedo a Cracóvia, uma cidade ainda com vestígios da guerra, marcas que encontrei espalhadas pela cidade, mas mesmo assim considerei ser acolhedora e bonita. Fiquei dois dias na Polónia antes de regressar a Praga. O único senão foram os preços de comboio. Eram viagens um pouco caras para um backpacker mas mesmo assim valeu 100% o investimento. Foi um dos melhores locais que visitei (Auschwitz). Em contrapartida o preço da viagem aos campos de concentração nazi Auschwitz-Birkenau, visita guiada com viagem incluída desde o centro de Cracóvia até ao seu regresso, foi uma pechincha (apenas 20€).

Para finalizar gostaria de dizer que só quando arriscamos é que sabemos como são as coisas, como é a vida. Não hesites muito na hora da decisão. Por experiência própria confirmo que depois de escolheres um destino e, por exemplo, comprares uma passagem de avião, ficas com uma pequena sensação de realização e alegria pois pensas que tomaste a decisão certa, e também um pouco de pressão pois agora que gastaste dinheiro com a viagem (a meu ver é um investimento) vais ter mesmo que ir!
Se não sabes o que isto é nem sobre o que falo, então vai viajar e sentirás!

Deixa o teu comentário

Últimas Conta o Leitor

31 Agosto 2018

Ingratidão

30 Agosto 2018

Humanum Amare Est

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.