Correio do Minho

Braga, terça-feira

Vergonhoso!

Tancos: falta saber quase tudo

Ideias

2014-11-26 às 06h00

Pedro Machado

Cada vez que vejo a forma como são tratados equipamentos públicos, de utilização comum e que, no fundo, são de todos nós, sinto que é vergonhoso o estado a que chegam alguns ecopontos. Para além do vandalismo a que muitos são sujeitos, outros estão sujos pois são colocados resíduos na sua envolvente, muitas vezes resíduos orgânicos, que acabam espalhados e tornam o seu aspeto deplorável.

Estes comportamentos são sinal de pessoas individualistas que não pensam no bem comum, mas apenas na sua comodidade, desrespeitando os próprios vizinhos e os restantes cidadãos. A imagem da cidade e destes equipamentos de excelência, que são os ecopontos subterrâneos, sai prejudicada.
É tempo de dizer: Basta! Já chega de falta de civismo! Só quando as pessoas perceberem que os equipamentos públicos são também seus, que devem zelar por aquilo que é de todos, acabará esta vergonha.

A Braval, para além do esforço de servir a população com o maior número de ecopontos, muitos deles subterrâneos, tem uma equipa permanente para manutenção e limpeza dos ecopontos, dos 6 municípios que abrange. No entanto, com estes cenários, este esforço é deitado por terra, parece ser sempre insuficiente, porque a população não zela pela sua conservação, pela manutenção da limpeza quer do próprio ecoponto, quer da sua envolvente.

Para que estes comportamentos deixem de existir é necessária, como sempre, sensibilização ambiental, que é feitas nas escolas mas que tem que continuar em casa, neste caso, com os filhos a sensibilizarem os pais e não os pais a “estragar” todo o trabalho feito nas escolas.
No entanto, depois de tantos anos nesta batalha da sensibilização e educação ambiental, lamento constatar que não chega. Por isso é que continuo a afirmar que, perante esta falta de civismo, seriam necessárias coimas que punam os prevaricadores. Parece que só assim se consegue que as regras básicas de vida em sociedade sejam cumpridas em Portugal.

A colocação de resíduos fora do ecoponto, por exemplo, é punível com coima pelos regulamentos municipais de resíduos, pois é proibido colocar resíduos fora dos contentores próprios para o efeito.
Para os crimes ambientais serem castigados, primeiro é necessário que haja fiscalização, mas, às vezes, há também que denunciá-los.

Quando um crime ambiental se torna notícia, geralmente pensa-se que pouco ou nada se pode fazer para remediar o que já está feito. Nada de mais errado! É preciso que estes crimes sejam denunciados, que entrem na ordem do dia, e sobretudo na consciência da população. Se ninguém o fizer e fecharmos os olhos, nada acontece.

Costumo dizer que muitos dos problemas da nossa sociedade são culpa da falta! Da falta de educação, da falta de cultura, da falta de civismo, da falta de respeito, perante nós mesmos e os outros. Queimam-se ecopontos e ninguém vê. Coloca-se lixo fora de horas e em dias sem recolha e ninguém vê. Colocam-se resíduos orgânicos dentro do ecoponto e ninguém foi. Basta! Basta desta falta de civismo que parece nunca ter fim.

Todos somos responsáveis pela defesa da qualidade de vida ambiental do concelho onde vivemos, devemos dar o exemplo e responsabilizar quem não respeita as regras de civismo e de vida em sociedade. Só assim podemos evoluir.
Ajude-nos, ajudando-se!

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

23 Outubro 2018

Caminho perigoso

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.