Correio do Minho

Braga, sábado

- +

Um olhar convertido

Norte sobe no Ranking Regional de Inovação

Escreve quem sabe

2015-02-03 às 06h00

Margarida Pereira Margarida Pereira

Certamente já ouviu falar da Casa das Convertidas ou do Recolhimento de Santa Maria Madalena. Da nossa parte, este Imóvel de Interesse Público já foi várias vezes alvo de notícias, infelizmente, nem sempre pelos melhores motivos. No entanto, hoje, a reflexão que desejamos fazer leva-nos a escrever sobre as Convertidas sobre um excelente motivo.

A Casa das Convertidas é um importante marco da Avenida Central desde 1720 e, apesar de ter as suas portas abertas desde 1722 até à década de 90 muitos eram aqueles que por lá passavam e nem se apercebiam deste edifício, que tanto enriquece uma das mais famosas avenidas bracarenses. Utilizamos o pretérito imperfeito, pois quem passa hoje pelo Recolhimento dificilmente não repara na sua fachada, agora repleta de andaimes.

Esses andaimes são, para nós, o cumprimento de promessas desde há muito feitas; são a prova física de que já são muitos aqueles que se preocupam com as Convertidas e o seu valor histórico. As obras que ocorrem nas Convertidas podem não ser o seu restauro completo com um destino final concreto para o edifício, mas são obras de prevenção, tentando evitar, desta forma, que o edifício se continue a degradar.

Quem visitou este Recolhimento nos últimos anos, notou um elevado estado de degradação do mesmo. Se há uns anos, nas primeiras visitas realizadas pela JovemCoop, era possível visitar o primeiro e o segundo piso, piso onde se encontram as celas/ quartos e o acesso ao coro alto da Capela, neste último ano o acesso ao segundo piso já não era permitido devido à enorme fragilidade do soalho. Os sinais de degradação eram notórios e muito devido ao mau estado do telhado que não protegia o edifício das águas pluviais. Essa acelerada degradação era também visível na capela, um belíssimo espaço da arte barroca, com um altar em talha dourada e tetos superiormente pintados.

Numa tentativa de travar o acelerado estado de degradação, estas pequenas obras de intervenção têm como principal objetivo preservar a estrutura do edifício, o que para nós já é sinal de algum avanço. Esta intervenção é, no nosso modo de ver, sinal de que muitas consciências já despertaram para o valor único deste imóvel e para a urgente necessidade de o preservar e de lhe dar vida.

Contudo, apesar deste passo em direção à preservação, engana-se quem pensa que com esta pequena intervenção as Convertidas podem manter-se desertas por mais uns anos. É urgente a decisão de um melhor futuro para o Recolhimento de Santa Maria Madalena. Na ótica da JovemCoop, uma casa que desde 1722 viveu repleta de pessoas, inicialmente com mulheres que se queriam (re)converter e mais tarde com os utentes do lar que lá funcionou, hoje não pode ficar sem vida. Ver este Recolhimento ganhar vida é um dos grandes desejos da JovemCoop.

É que, na verdade, falta designar um programa para o interior da Casa. Se o edifício, após as intervenções no telhado e na fachada, ficar mais algumas décadas fechado, voltará a entrar numa espiral de degradação, não dignificando a sua função, nem o investimento agora efetuado. Pode a CMB assegurar, mediante protocolo ou comodato, a utilização da Casa das Convertidas, ou será uma espécie de presente envenenado para os cofres municipais? E sendo o Ministério da Administração Interna o proprietário, não deveria assegurar o futuro funcional deste monumento?

Quem sabe a Casa das Convertidas seja alvo de um projeto para o Orçamento Participativo de 2016, por exemplo, transformando-se numa Casa da Cultura, numa Pousada da Juventude, num Museu, num Centro de Artes ou num casa dedicada ao apoio à Família, etc. Estes são apenas alguns exemplos de um futuro promissor, que esperamos ser o da Casa das Convertidas. Até lá, manteremos o nosso estado de alerta para a preservação do Nosso Património, o património que é a imagem de um marco histórico, identidade de todos os bracarenses. Por isso, cabe-lhe também a si, caro leitor, estar atendo e salvaguardar o que é de todos.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

28 Novembro 2020

Ilusão verde

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho