Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +

Um novo mundo

As Bisavós e a Gripe Espanhola

Um novo mundo

Ideias

2020-03-26 às 06h00

Augusto Lima Augusto Lima

Estamos a viver um novo mundo. Incerto, desconhecido e inseguro. Ninguém sabe o que vai acontecer, ninguém sabe o caminho certo, ninguém conhece o futuro.
Já ouvimos várias opiniões. Em termos económicos, de reconhecidos especialistas a comentadores, várias previsões têm sido apontadas: crise económica profunda, pior do que 2008-2009; crise económica profunda mas com recuperação mais rápida; tsunami no crescimento e no emprego.

Não tendo a pretensão de entrar nesta discussão, mais ou menos fundamentada, quero apenas passar a visão de um território que se autodenomina Cidade Têxtil, que possui mais de 15 000 empresas (85% das quais pequenas e micro), contabiliza mais de 50 000 trabalhadores e exporta mais de 2 mil milhões de euros.
Focando então a análise na Cidade Têxtil que é Famalicão, o desafio é brutal. Nada a que este setor não esteja habituado, vários que foram já os momentos em que foi posto à prova, tendo sempre, felizmente, sabido sobreviver e ajustar-se.

Neste momento, a palavra de ordem é incerteza. A maioria das empresas continua a laborar, e também na maioria dos casos próximo dos 100%, mas com grande indefinição relativamente ao futuro. Mas já se verificam situações em que as encomendas começam a diminuir ou a ser canceladas, provocando angústia e indefinição relativamente ao futuro a curto prazo.
Não se pode esquecer que a maioria das empresas exporta e, sendo este um problema global, não chega apenas controlar o surto a nível nacional. É preciso que o controlo seja europeu e mundial.
Algumas empresas estão a reconverter os seus processos produtivos para Equipamentos de Proteção Individual de modo a contribuírem para acudir às necessidades imediatas do Sistema Nacional de Saúde e das Instituições de Solidariedade Social. Sendo a este nível uma oportunidade, é de saudar a iniciativa das associações setoriais e do CITEVE, que estão a constituir uma bolsa de empresas que, de uma forma agregada e integrada, possa dar rápida resposta às falhas de mercado existentes.

O tecido empresarial está a reagir com alguma inquietação às medidas que estão a ser anunciadas pelo Governo. Dúvidas são muitas. Questões laborais, de acesso ao crédito, de financiamento por parte do Estado e de obrigações fiscais são alguns exemplos daquilo que, neste momento, preocupa empresários e trabalhadores. Restam poucas dúvidas que serão necessárias mais medidas.
A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, através do Gabinete Famalicão Made IN, e no âmbito das suas competências, criou uma linha de apoio, constituindo um verdadeiro e forte front office para fazer face às inúmeras dúvidas que assolam as empresas. Está também a servir de plataforma de contacto entre empresas para dar respostas às necessidades produtivas urgentes. No âmbito do seu ecossistema económico, estudam-se ainda medidas ao nível do emprego, novos modelos de negócio, qualificação, inovação e financiamento, que complementem as medidas nacionais e respondam às características específicas do território.

O novo mundo está a chegar. Com determinação, coragem e criatividade, certamente conseguiremos ultrapassar este enorme desafio. A Cidade Têxtil vai ser diferente, mas, com a união e articulação entre todos os agentes, vai saber resistir e reinventar-se.
Estamos certos que Famalicão continuará a ser o lugar do têxtil.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho