Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +

Ser do Sá de Miranda

A Biblioteca Escolar – Um contributo fundamental para ler o mundo

Ideias

2014-01-20 às 06h00

Joaquim da Silva Gomes Joaquim da Silva Gomes

Quando em 1836 Passos Manuel pretendeu criar um liceu em cada capital de distrito e ainda nos arquipélagos dos Açores e da Madeira, nem todas o conseguiram. Braga conseguiu-o, sendo uma das primeiras capitais de distrito a ter este modelo de estabelecimento de ensino.
Os primeiros anos deste liceu foram de grandes dificuldades, pelo que só em 14 de Julho de 1845 seria nomeado o seu primeiro reitor, António Maria Pinheiro. A partir desse momento, este liceu foi crescendo, tornando-se num dos mais emblemáticos de todo o país. Para aqui vinham estudantes de todos os distritos do norte do país!

Quando, ao longo dos seus 178 anos de existência, alguma personalidade de prestígio nacional ou internacional vinha a Braga, não deixava de visitar instituições de referência, como a Câmara Municipal (baluarte do poder político), a Sé de Braga e Bom Jesus do Monte (baluarte do poder religioso) e o Liceu de Braga (baluarte do poder cultural).

Os maiores acontecimentos do país tinham a sua réplica, ou em alguns casos, o seu epicentro, em Braga. Nesta cidade, o Liceu de Braga estava sempre na vanguarda desses acontecimentos: as lutas políticas, as lutas religiosas, as decisões económicas e estruturais da região, os combates por causas nobres, todas elas passavam pelo Liceu de Braga. Alguns desses combates, de tão mediáticos e marcantes, chegaram a necessitar da intervenção da polícia e das próprias forças armadas, para imporem a ordem no liceu! Era uma irreverência própria do crescimento da nossa sociedade e da nossa identidade como povo.

Algumas das maiores criações culturais, algumas das maiores tradições académicas desta região, tiveram o seu nascimento no Liceu de Braga. O traje académico que os Estudantes da Universidade do Minho usam na actualidade, foi usado, ainda no século XIX, pelos estudantes do Liceu de Braga!

Nos cafés, nas praças públicas, nas avenidas e ruas de Braga, os estudantes eram apontados pela sua irreverência e tenacidade, os professores eram admirados pelos seus métodos, o ensino nesta instituição era copiado e vangloriado por outras instituições. Porque estas não eram nem são características de qualquer instituição; estas eram e são as características do Liceu Nacional de Braga, que desde 30 de Abril de 1912 passou a ser denominado “Liceu Nacional Central de Sá de Miranda”!

No Sá de Miranda estudaram alguns dos mais insignes portugueses. Desta instituição saíram muitos políticos (Deputados, Secretários de Estado, Ministros, até Chefes de Governo, Presidentes de Câmara…); desta instituição saíram muitos desportistas; daqui saíram vários arquitectos, escultores, médicos, professores, escritores, juízes, artistas de diferentes áreas. Muitos deles foram e continuam a ser referência nacional e internacional; muitos deles deram nomes a ruas ou avenidas, muitos deles deram nomes a estabelecimentos de ensino e a outras instituições públicas!

No Sá de Miranda leccionaram alguns dos mais brilhantes professores portugueses e estrangeiros; no Sá de Miranda desenvolveram-se algumas das mais admiráveis análises sociais e culturais do nosso país; no Sá de Miranda planearam-se várias intervenções, que deixavam os agentes políticos em sentido.

A dinâmica social e cultural de Braga tinha o seu epicentro no Sá de Miranda; no Sá de Miranda encontra-se uma das mais notáveis bibliotecas nacionais; o Sá de Miranda está num dos mais imponentes edifícios públicos de Braga.

Mas estas características não estão gastas, não são apenas do passado. Actualmente, no Sá de Miranda, sente-se o passado e a sua história; no Sá de Miranda vive-se um ambiente jovem, mas com maturidade; no Sá de Miranda prepara-se o futuro, com base no exemplo e nas boas práticas do passado; no Sá de Miranda sente-se o respeito e a organização; no Sá de Miranda aumenta-se a autonomia e a maturidade; no Sá de Miranda vive-se a urbanidade; no Sá de Miranda não há interesses, nem obsessões individuais; no Sá de Miranda trabalha-se para um colectivo e para um objectivo comum: ensinar e educar. No Sá de Miranda prepara-se a próxima geração!

O ensino em Braga está atraído pelo Sá de Miranda. Ou, com mais clareza, o Sá de Miranda atrai o ensino em Braga! Na sua maioria, os que estão ligados ao Sá de Miranda, querem continuar a está-lo; os que estiveram ligados ao Sá de Miranda, anseiam um dia voltar a estar; os que não estão, pretendem está-lo à primeira oportunidade que encontrarem. Porque não se trata de uma instituição, trata-se do “Sá de Miranda”!

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

30 Novembro 2020

Um Natal diferente

29 Novembro 2020

O que devemos aos políticos

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho