Correio do Minho

Braga,

- +

Sabe identificar um ataque de pânico?

Personalidade e carater

Sabe identificar um ataque de pânico?

Voz à Saúde

2019-11-26 às 06h00

Ricardo Pinto Ricardo Pinto

Os ataques de pânico são caracterizados por desencadear um medo quase incontrolável, podendo, em alguns casos, confundir-se com um enfarte. Um terço da população adulta é afetada, sendo as mulheres duas a três vezes mais propensas a manifestar este distúrbio em comparação com os homens.
Trata-se de uma patologia psicológica manifestada por ataques que duram, em média, 10 a 30 minutos, expressos em episódios bruscos e inesperados, de medo intenso e, por vezes, sem razão aparente, que cria um estado de ansiedade extremo, acompanhado por sintomas físicos, muitas vezes semelhantes aos de um enfarte, que leva o indivíduo a pensar que vai morrer.

Os sintomas mais comuns e que prendem a atenção do indivíduo são: taquicardia, dificuldade em respirar, hiperventilação, formigueiros, suores, enjoos, tremores, mal estar abdominal, dores no peito e náuseas.
Para este distúrbio, é importante a exclusão de doenças como as cardiovasculares ou da tiroide, que contemplam sintomas similares, sendo sempre essencial uma avaliação multidisciplinar completa, nomeadamente por um médico e psicólogo, onde a avaliação psicológica é fundamental, dado os critérios de diagnóstico serem bem definidos para as perturbações de pânico.

O tratamento desta condição, normalmente, combina psicoterapia com técnicas de relaxamento e de respiração, tendo a primeira o objectivo de recolher e compreender os conflitos psicológicos subjacentes. A Hipnose Clínica constitui uma ferramenta ideal nestes casos e a intervenção deve ser efetuada o mais cedo possível, onde o plano terapêutico deve ser mantido, aliado a atividade física, de modo a evitar recaídas e sintomas ansiogénicos.
Uma característica transversal em indivíduos que sofrem desta perturbação, é o evitamento de situações ou locais onde já tiveram um ataque de pânico ou onde um possa desencadear, podendo originar Agorafobia, caracterizada pelo medo de frequentar espaços públicos com muita gente ou dos quais não possa sair facilmente. O não tratamento desta condição, limita exponencialmente o quotidiano da pessoa, restringindo as atividades diárias pelo receio em ficar sozinho, sair de casa ou frequentar locais indutores de ansiedade.

Conheça três técnicas divulgadas por profissionais da área da saúde, que podem ser utilizadas no controlo do ataque de pânico:
1. Lembre-se que os sintomas associados aos ataques de pânico não são perigosos, é apenas uma reação do corpo.
2. Evite lutar contra as sensações intensas. Centre-se no presente, podendo focar-se na sua respiração, inspirando durante 5/6 segundos e expirando em 7/8. Distraia-se com algo ou com alguém.
3. Reserve a ideia que nunca ninguém morreu de um ataque de pânico.
Lembre-se, cuide de Si! Cuide da Sua saúde!

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho