Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Quarto com boas vistas

O que nos distingue

Ideias

2017-05-21 às 06h00

José Manuel Cruz

Advirto que não abordo questões ligadas ao imobiliário, ainda que o título sugira janelas viradas ao Sameiro, ou a prédio onde se passem coisas interessantes a olho nu. Ordinal é o meu “quarto” e à tabela classificativa do futebol respeita.
Dias houve, este ano, em que se caiu no sonho de campeonato ganho, com um Braga vaidoso à testa, e os demais de cara parva a roer invejas. Nunca o Braga terminou à frente da tabela, e nós sabemos que apenas por raríssima conjugação astral tal possa suceder.

O Braga poderá ganhar um campeonato, um dia, seguramente por mérito próprio, mas, também, porque um sismo abale os três maiores em simultâneo. Essa vitória pode parecer improvável, absurda, mas já esteve para dar-se no primeiro ano do Domingos Paciência e, com bairrismos ou não, recordamos arbitragens de bradar aos Céus, para não falar de desaguisados de tuneis e suspensões escandalosas. Ganhará, certo dia, um Braga que suplante os adversários em campo, uma formação que, no pé para pé, tenha futebol para contrariar as bênçãos que desaguam sempre nos mesmos colinhos, por imobilismos de máquina montada. Ilusões!

Na volta do carrossel, este ano, houve um período em que o Braga mordia os calcanhares de um Porto à procura de si, em que um Sporting parecia não carburar. Parecia, pois, que com um jeitinho, com uma colherzita a mais de garra, com um pequeno acréscimo de automatismos, seríamos capazes de desfeitear os oponentes. Puxavam-se as aspirações para o claro do dia, e falhava a equipa, quando os de cá já esfregavam as mãos, na ressaca dos pontos perdidos pelos demais, pontos que ao Braga escapavam, igualmente, mantendo-se as distâncias.

Argh! O Peseiro não é treinador para o Braga. O Peseiro não tem estilo, não tem futebol, não tem liderança… Muda-se e remuda-se de treinador. Hum! O Braga não tem plantel. Falhou-se o terceiro. Caímos das canetas do quarto. Pior, um pouco - voltou-se à caça ao culpado: o treinador? O presidente? Os adeptos impacientes? Quem mais?
Não conheço as pessoas, não estou familiarizado com os corredores, nem calhado na indústria do bitaite. Limito-me a raciocinar de cabeça fria, e a ousar partilhar uma opinião. Como bracarense, quero o nosso clube na dianteira, mas sei que a quarto não está mal. Eterno quarto, sucumbirá o Braga em flacidez inestética, em modorras de casamento sem chama?

O Braga pode lindamente fazer quartos consecutivos, e ainda assim crescer competitivamente, cimentar identidade, afirmar-se como referência, e existe, no Braga de hoje, imenso de invejável - louvores a quem os merece. Por razões relativas a apertos do passado, recordo, tão-só, o galardão Best Sporting Progress de 2011.
Sei, enquanto psicólogo que já fui, que a formulação de objectivos é o santo gral de atletas, equipas, clubes, e todos podem ser recolocados, dia-a-dia, em condições de crescimento, o que é uma chatice, porque o inverso também é verdade. Sei, também, que o sucesso tem muitas receitas, e que não ganhará, um Braga, enquanto clube, do mesmo modo como o fazem os vizinhos do patamar superior.

Há, se quiserem, detalhes, práticas, formas de comunicação, que de uma forma ou de outra se reflectem no terreno de jogo. Há, se quiserem, a questão capital: aquela de que não há pessoa que tudo saiba, que por cabeça só e braço único puxe a barca. Soluções? Não as esperem em crónica jornaleira. Isso é outra cozinha.
Entretanto, fica o meu voto: malhem no quarto! Duro! À força toda.
Qualquer coisinha: disponham.

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

19 Dezembro 2018

Parabéns ao IPCA

18 Dezembro 2018

O seu a seu dono!

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.