Correio do Minho

Braga, sábado

- +

Quando o (in)esperado acontece...

Norte sobe no Ranking Regional de Inovação

Quando o (in)esperado acontece...

Escreve quem sabe

2019-05-28 às 06h00

Margarida Pereira Margarida Pereira

Braga começa agora a despir o vermelho e dourado que a cobriram durante cinco dias repletos de festividades, honrando assim a sua cidade romana fundadora, Bracara Augusta. Foram dias preenchidos com a participação dos mais variados grupos da cidade, desde escolas, passando por associações a grupos de teatro e muitos são os bracarenses que se mostraram honrosos bracaraugustanos, vestindo o seu passado com rigor e motivação.
Quem tem vivido a Braga Romana, desde o seu início, de imediato conclui que mais do que uma atividade lúdica, este evento da cidade é educativo, pois as escolas envolvem-se na história da fundação da cidade para se fazerem representar nos respetivos cortejos, mas também para estarem presentes no mercado romano. Também associações e outras entidades vestem as túnicas com rigor e recriam o quotidiano romano em variadíssimos espaços, como é o caso do acampamento militar, das termas romanas e da Domus Romana – onde a JovemCoop marcou presença.

Cada vez mais próxima de Bracara Augusta, esta recriação histórica sofreu este ano algumas alterações. Destacamos a modificação da localização, pois todo o evento está mais descentralizado, com objetivo de se aproximar da antiga cidade romana. Houve também uma excelente novidade nos espaços da feira, que soube unir Bracara Augusta às atuais ações de consciencialização ambiental, cabendo aqui lembrar a criação de fontanários romanos.
Durante cinco dias as ruas da cidade estiveram repletas; os espectáculos com “lotação esgotada”, as praças da alimentação cheias desde a abertura até ao encerramento e os cortejos a encherem as ruas sob o olhar dos mais curiosos. Tudo isto é de louvar, mas porque é que realmente a população que se mostra interessada e se deixa envolver?
Em oposição a um evento participativo, temos um domingo com as urnas de voto para as eleições europeias VAZIAS…

Foram inúmeras as ações de apelo ao voto que ocorreram nos últimos tempos sem, no entanto, surtirem o efeito necessário. Na ordem do dia estão os resultados eleitorais, mas deveriam estar também as históricas taxas de abstenção, que em Portugal atingiram números a rondar os 70%, subindo mais 2,4% do que em 2014. Estamos bem acima da média europeia que teve a sua taxa de abstenção a rondar os 50%, o que já não é algo positivo.
Em nossa opinião, tamanha abstenção não significa revolta, pois para isso há formas de expressão. A abstenção é muito mais grave, mostra a indiferença e a leveza com que são escolhidos os representantes europeus no (e do) nosso país. A população está afastada da Europa, em geral, e da política nacional, em particular, uma vez que já se fala na repetição deste fenómeno para as eleições à Assembleia da República.
Mais grave que este resultado surreal, só mesmo os representantes partidários do nosso país dizerem já estar à espera que tal acontecesse. Não é normal, apenas 30% da população votar, se tal acontece é porque algo está muito mal, e é necessário tomar ações.

É urgente consciencializar a população da importância do voto, não se limitando a pedir o apelo ao voto em vésperas de eleições. Há um longo caminho pela frente, para tornar os cidadãos mais participativos, mostrando o impacto que tal poderá ter na política nacional, e é fundamental começar pelas camadas mais jovens, a educação deve intervir desde já. Somos uma sociedade que vive o imediato, que participa em massa num evento na cidade, mas que não antecipa o futuro, e não tem consciência de tais ações. Também os romanos viviam de “pão e circo”, mas sempre conscientes e participativos na política da sua cidade.
É urgente intervir, pois Braga não foi muito diferente com 62,2% de abstenção; mais uma vez, vai-se discutir política, apontar resultados, opinar acerca de candidatos, tudo sem realmente envolver a população e credibilizar as políticas e as medidas que induzam as pessoas a VOTAR!

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

28 Novembro 2020

Ilusão verde

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho