Correio do Minho

Braga, terça-feira

Projeto GaliMinho: visita dos parceiros galegos

Semana Europeia da Prevenção de Resíduos

Voz às Escolas

2016-04-25 às 06h00

Hortense Lopes dos Santos

No AE Carlos Amarante, os nossos professores e alunos participam em projetos internacionais que promovam a interculturalidade, o uso das línguas estrangeiras e das tecnologias.
Neste enquadramento, no próximo dia 19 de maio, a Escola Secundária Carlos Amarante recebe a visita de cerca de duas dezenas de alunos e dois professores do Instituto de Enseñanza Secundaria San Clemente, em Santiago de Compostela (Espanha). Esta visita está inserida no projeto GaliMinho1, um projeto de geminação de turmas, inscrito no portal eTwinning.

Neste projeto, os alunos de informática das duas escolas simulam o funcionamento de uma empresa ibérica que oferece um serviço de suporte técnico de hardware de computadores. Várias disciplinas participam neste projeto: Línguas Estrangeiras, Português, Metalomecânica, Sistemas Digitais e Arquitetura de Computadores, Fundamentos de Hardware, Instalação e Manutenção de Equipamentos Informáticos, Implantação de Sistemas Operativos. As línguas de desenvolvimento do projeto são o Galego e o Português.

Os alunos intervenientes são do Ensino Profissional (Informática de Gestão, Gestão de Equipamentos Informáticos e Metalomecânica). As ferramentas utilizadas para desenvolver o projeto são variadas, entre outras, destacam-se a Plataforma eTwinning, os dispositivos móveis dos alunos e os computadores da escola, aplicações de gravação áudio e vídeo, câmara fotográfica, Padlet, AnswerGarden, Tricider, Google Drive (documentos, apresentações e formulários), Skype, Whatsapp.

Os objetivos do projeto são:
(i) Treinar o serviço de suporte técnico remoto;
(ii) Pôr em prática os conhecimentos de software, hardware e metalomecânica;
(iii) Aprendizagem de linguagem técnica em português.

Para o desenvolvimento do projeto foram criados grupos mistos (alunos das duas escolas em cada equipa). Cada grupo propôs situações para serem resolvidas  pelos outros grupos (avarias, instalações, manutenção). As explicações foram dadas por meio de um manual criado pelos alunos e uma ligação TeamViewer. Cada grupo propôs uma instalação de hardware para ser realizada na fase inicial, no I.E.S. San Clemente (Galiza, Espanha) e na fase final, na Escola Secundária Carlos Amarante. A vinda dos parceiros galegos à cidade de Braga vai permitir concretizar esta tarefa do projeto e proporcionar um conhecimento presencial dos alunos que durante um ano letivo trabalharam colaborativamente à distância, transformando assim um projeto virtual, num projeto real e cheios de emoções.

Os resultados esperados são a criação de Manuais de instalação e manutenção; Vídeos com as explicações feitas através de TeamViewer; Áudio com as gravações dos alunos; Apresentações sobre ‘Riscos e segurança e proteção ambiental’; Instalações hardware; Aprendizagem da língua portuguesa por parte dos alunos galegos, servindo os alunos portugueses, por serem nativos, como exemplos de boa utilização da língua portuguesa.

As tarefas planeadas para desenvolver na aula de Português relacionam-se com os tópicos curriculares, nomeadamente, a descoberta e comparação da arquitetura barroca nas duas cidades, a pesquisa de informação, o desenvolvimento de competências de escrita e apresentação oral. Os alunos utilizam os seus dispositivos móveis para captar imagens, criar vídeos e gravações áudio e comunicar. Através de aplicações móveis os alunos prepararam os seus trabalhos para apresentar aos colegas estrangeiros através de videoconferência.

Consideramos que a aprendizagem baseada em projetos tem o potencial de envolver plenamente os alunos na era digital, mudar as dinâmicas de sala de aula e dar aos alunos grande domínio e gestão da sua aprendizagem. Esta metodologia implica formar equipas com intervenientes de áreas disciplinares diferentes, como ocorreu neste projeto. As diferenças oferecem imensas oportunidades para a aprendizagem e preparação dos alunos para trabalhar num ambiente e economia diversa e global. Para o êxito deste projeto muito contribuiu o desenho realizado pelos professores intervenientes, bem como a definição dos papéis e os objetivos a alcançar nas diferentes atividades.

A educação começa em casa e continua na escola, agora falta-nos decidir se queremos que termine aqui ou se pretendemos que se abram portas e continue a avançar fora dela. E como diria Vincent Van Gogh: “o que seria da vida se não tivéssemos o valor de tentar algo novo”.
Este texto teve a colaboração da docente responsável pelo projeto, Adelina Moura

Deixa o teu comentário

Últimas Voz às Escolas

15 Outubro 2018

Greve

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.