Correio do Minho

Braga, sábado

- +

Principais desafios: imigração e terrorismo

Viagem a Viena

Ideias

2016-12-29 às 06h00

Alzira Costa Alzira Costa

Segundo o Eurobarómetro Standard do outono de 2016 (doravante eurobarómetro), a imigração e o terrorismo continuam a ser considerados os mais importantes desafios que a União Europeia (UE) enfrenta, embora a um nível ligeiramente mais baixo do que no último inquérito, na primavera de 2016. Como dois dos principais resultados do inquérito realça-se: o apoio às políticas e prioridades da UE continua a ser forte, e tem vindo a aumentar desde a primavera de 2016 (resultados também em sintonia com inquérito Eurobarómetro Especial 451, sobre o futuro da Europa).

Referir que o eurobarómetro baseia-se em entrevistas individuais, realizadas entre os dias 3 e 16 de novembro de 2016, tendo sido entrevistadas 32 896 pessoas nos Estados-Membros da União e nos países candidatos à adesão.

Interrogados sobre as suas principais preocupações, os cidadãos continuam a citar predominantemente a imigração como o principal problema com que a UE se depara (45%, que corresponde a menos 3 pontos percentuais desde a primavera de 2016). O terrorismo (com 32%, menos 7 pontos percentuais) continua a ser o segundo elemento mais referido. Surge bastante à frente da situação económica (20%, mais 1 ponto), do estado das finanças públicas dos Estados-Membros (17%, mais 1 ponto), e do desemprego (16%, mais 1 ponto). A imigração é considerada o primeiro problema da UE em todos os Estados-Membros, com exceção de Espanha e de Portugal.
A nível nacional, as principais preocupações são o desemprego (31%, menos 2 pontos) e a imigração (26%, menos 2 pontos). A situação económica vem em terceiro lugar (19%, sem alteração).

Em comparação com o anterior inquérito, da primavera de 2016, o apoio às prioridades definidas pela Comissão Europeia foi reforçado. No que se refere à questão da migração, 69% dos europeus mostra-se a favor de uma política europeia comum em matéria de migração e 61% tem uma opinião positiva sobre a migração de pessoas provenientes de outros Estados-Membros da UE. Todavia, 56% têm uma opinião negativa sobre a imigração de pessoas provenientes do exterior da UE. 81 % dos europeus são favoráveis à «livre circulação dos cidadãos da UE, que podem viver, trabalhar, estudar e fazer negócios em qualquer país da UE». A maioria dos inquiridos apoia a livre circulação em todos os países. No que respeita ao investimento, 56% dos europeus concordam que devem ser utilizados dinheiros públicos para estimular o investimento do setor privado a nível da UE. Também relevante, o apoio ao euro aumenta ligeiramente (58% no conjunto da UE e 70 % na área do euro).

A confiança na UE é mais elevada do que a confiança nos governos nacionais, prosseguindo a tendência positiva verificada no inquérito da primavera de 2016, a confiança na UE aumentou para 36% (partindo de 33 %). A confiança nos parlamentos e governos nacionais também aumentou, mas permanece inferior à confiança na UE.

38% dos cidadãos europeus têm uma imagem da UE neutra, uma percentagem que se manteve inalterada desde a primavera de 2015. Situando-se em 35%, a imagem positiva da UE ganhou algum terreno, ao passo que a imagem negativa diminuiu (25%).
Quatro em cada dez europeus consideram que a sua voz conta na UE, perto do recorde de 42% registado na primavera de 2014 e na primavera de 2015.
67% dos europeus sentem-se cidadãos da UE.

A sensibilização para o programa Erasmus tem aumentado consideravelmente desde 2009: mais de metade dos europeus já ouviram falar da sua existência. Além disso, uma grande maioria (86%) dos cidadãos europeus têm uma imagem positiva deste programa. Embora a sensibilização varie muito de país para país, o programa Erasmus é visto com muito bons olhos por uma larga maioria da população em todos os Estados-Membros.

O Tratado de Roma (que no próximo ano assinala 60 anos) é considerado por 69% dos europeus como um acontecimento positivo na história da Europa. Esta opinião é partilhada pela maioria dos cidadãos em todos os Estados-Membros.

No que reporta ao inquérito Eurobarómetro Especial 451, sobre o futuro da Europa (que se baseou em entrevistas individuais, realizadas entre 24 de setembro e 3 de outubro de 2016, tendo sido entrevistadas um total de 27 768 pessoas em todos os Estados-Membros), 66% dos cidadãos europeus concorda que a UE é um lugar de estabilidade, num mundo conturbado (ponto de vista partilhado pela maioria dos inquiridos em todos os Estados-Membros). 60 % dos europeus considera que o projeto europeu oferece uma perspetiva de futuro para a juventude da Europa e 82% concorda que uma economia de mercado livre deve ser acompanhada de um nível elevado de proteção social.

Mais de seis em cada dez europeus consideram que deveriam ser tomadas mais decisões a nível europeu, numa série de domínios. Oito em cada dez afirmam que tal deve ser o caso no domínio do «combate ao terrorismo» e da «promoção da democracia e da paz» (ambos com 80%); mais de sete em cada dez pensam o mesmo relativamente à «proteção do ambiente» (77%), à «promoção da igualdade de tratamento entre homens e mulheres» (73%) e à «resolução dos problemas associados à migração proveniente do exterior da UE» (71%).
Os resultados, naturalmente, falam por si mesmos. Os cidadãos europeus confiam que o projeto de integração europeia poderá ser parte da solução, nós também acreditamos. O caminho não é fácil, no entanto, mesmo difícil, parece-nos o melhor caminho!

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho