Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +

Portugal precisa de um novo PSD

Era aqui, um marmeleiro

Portugal precisa de um novo PSD

Ideias

2021-11-26 às 06h00

Ricardo Rio Ricardo Rio

Cerca de quarenta e seis mil militantes do Partido Social Democrata têm na sua mão, de forma totalmente livre, uma decisão de enorme importância para o futuro de todos os portugueses.
Em democracia, é desde logo fundamental que existam governos e oposições fortes, dinâmicos, interventivos, com capacidade de mobilização e representação, com uma visão alargada para as várias questões determinantes para o desenvolvimento das comunidades e cidadãos que devem servir.

Qualquer que seja a opção que os Portugueses pretendam fazer no próximo dia 30 de Janeiro, nunca será indiferente escolher entre um e outro candidato às eleições diretas do PSD que amanhã têm lugar.
Para aqueles que entendam prolongar o nefasto legado da governação socialista do País, valerá sempre a pena energizar a sua alternativa, resgatá-la do estado de letargia em que voluntariamente se colocou, de uma acomodação submissa que a desprestigia e não serve o interesse nacional, apenas pontualmente espicaçada pelas piores razões.
Mas, seguramente, para os muitos mais que pretendem uma outra ambição e sentido de responsabilidade à frente dos destinos de Portugal, com um compromisso claro com a resolução dos desafios do dia-a-dia de cada um dos portugueses, com uma melhoria profunda da qualidade dos serviços que o Estado disponibiliza em todas as áreas da gestão pública, importa fazer uma escolha que traduza um salto qualitativo nos atributos dos protagonistas e dos projetos que corporizam.

Rui Rio lideraria seguramente um melhor Executivo que aquele que é presidido por António Costa. Mas parece-me hoje inquestionável que Paulo Rangel tem atributos pessoais e políticos superiores, um discurso claro e uma proposta transformadora para o futuro de Portugal.
Também neste segundo cenário, os militantes do PSD não podem conformar-se com um “bem menor”, embrulhado numa pretensa defesa da estabilidade interna, que não é mais que um alibi para o desrespeito pelo regular pulsar democrático dentro de portas.
Só por isso, já valeu a pena este confronto. Para acordar o Partido. Para mostrar a sua força. Para nos lembrar da enorme responsabilidade que, desde a fundação, temos para com Portugal e cada um dos Portugueses.
Uma responsabilidade que a todos exige que, ultrapassada a saudável dialética interna, a partir de amanhã à noite, nos concentremos em unir, crescer e vencer. Por Portugal!

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

19 Janeiro 2022

O lixo pandémico

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho