Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +

Portugal e o Brasil

A Martins Sarmento e as Festas Nicolinas em Tempo de Pandemia

Portugal e o Brasil

Escreve quem sabe

2020-10-02 às 06h00

J.A. Oliveira Rocha J.A. Oliveira Rocha

O confinamento teve destas coisas: desenterraram-se livros que estavam acumulados há anos, à espera de serem lidos. Um deles foi O Livro dos Hereges, de Ayano Roriz. O título fez-me secundarizar a sua leitura, já que não estava interessado em discussões teológicas. Mas, afinal o assunto era outro.
Trata-se de um romance histórico em que o autor descreve a ocupação de S. Salvador da Baía, em 16424, pelos holandeses, ou melhor, pela Companhia Holandesa das Índias Ocidentais, a qual pretendia apoderar-se do Brasil e das suas riquezas.

O autor põe em contraste a mentalidade e costumes coloniais da colónia portuguesa com a abertura de espírito dos calvinistas (hereges) dos Países Baixos. A colónia era um aglomerado miserável que, em pouco tempo, deu origem a um burgo habitável; e os habitantes ganharam hábitos de trabalho e cedo se habituaram à liberdade e democracia.
Um dos pontos de conflito entre portugueses e holandeses foi a escravatura. Os portugueses estavam habituados ao trabalho escravo e os holandeses pretendiam transformar os africanos em trabalhadores livres. Entretanto, o governador holandês pretendia atrair os portugueses refugiados na mata, assegurando: respeito pela propriedade produtiva; respeito pela língua pátria; escola gratuita; Incentivos à indústria; liberdade de consciência e de culto para todos os habitantes, incluindo os índios e os africanos. Em termos urbanísticos, proibia-se os animais de andar na rua; e considerava-se um atentado à propriedade pública o lançamento de lixo e dejetos.
O que é que o autor quer concluir? Qual a sua tese? Está à vista: o Brasil teve azar em ser colonizado por Portugal, país atrasado e dominado pela inquisição e fradalhada. Teria sido preferível a colonização holandesa. O país teria outros hábitos de trabalho e desde cedo se teria habituado à liberdade e à democracia.

Esta é uma tese muito comum no Brasil. As misérias do Brasil atual seriam o resultado da colonização portuguesa, já que os brasileiros reproduziram os valores e os defeitos dos portugueses. Tudo é culpa dos portugueses !...
Não sei se a colonização holandesa teria sido melhor. O que é certo é que desde muito cedo o poder político brasileiro procurou importar colonos da Europa: da Itália, da Alemanha, da Polónia e, mais tarde até do Japão. A ideia era branquear e europeizar o Brasil.
Por outro lado, e embora os portugueses tivessem reproduzido o Portugal feudal, o Brasil na altura da independência tinha uma economia mais pujante que a americana. E, se piorou aos brasileiros se deve. O Brasil é um caldinho de culturas, as mais diversas, e de português pouco tem, além da língua.
Francamente, não gosto desta mentalidade, tanto mais que já tiveram tempo de crescer. Portugal deixou aquilo que tinha, que não era muito, valha a verdade. Mas veja-se, por exemplo, como resolveram o problema do clericalismo e catolicismo: aderiram em massa a setas protestantes, as quais, com as cliques locais, governam atualmente o Brasil.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

24 Novembro 2020

Habitação acessível (2)

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho