Correio do Minho

Braga, sexta-feira

- +

Pacto português para os plásticos

O Movimento Escutista Mundial (IV)

Pacto português para os plásticos

Ideias

2020-03-04 às 06h00

Pedro Machado Pedro Machado

Não é possível eliminar totalmente o plástico nem tal é desejável, efetivamente o plástico é um material que possibilita inúmeras vantagens, no entanto, deve ser totalmente RECICLÁVEL. Devemos evitar o plástico de uso único e RECICLAR todo o plástico que nos passa pelas mãos.
Para isso, todas as embalagens de plástico colocadas no mercado devem ser totalmente recicláveis, é pena que haja adultos que continuem a nbão fazer separação das embalagens em casa.
No início do mês de fevereiro, foi apresentado o Pacto Português para os Plásticos, uma iniciativa que teve a capacidade de unir toda uma cadeia de valor em torno de uma visão comum - uma economia circular para os plásticos em Portugal, na qual estes nunca se convertem em resíduos.
Este pacto conta com mais de 100 associados, entre eles estão empresas que operam em toda a cadeia de valor, desde a produção à distribuição, passando pela gestão de resíduos.
A Associação Smart Waste Portugal lidera o Pacto Português para os Plásticos, com o apoio do Ministério do Ambiente e da Ação Climática, do Ministério do Mar, do Ministério da Economia e Transição Digital, com o Alto Patrocínio da Presidência da República, e com o apoio da rede de Pactos para os Plásticos da Fundação Ellen MacArthur.
Este pacto visa atingir 5 metas, até 2025. Os objetivos principais são a intenção de atingir 100% de plástico reciclável nas embalagens, a incorporação de 30% de plástico reciclado na produção de novo plástico, diminuindo assim a utilização de matéria-prima virgem, e de chegar aos 70% das embalagens usadas feitas com plástico reciclado, entre outros. Entre as medidas assumidas neste compromisso, estão também a criação de um guia de boas práticas e de uma plataforma online para gestão de desperdícios, a desenvolver durante este ano.
Também para este ano, o pacto prevê a elaboração de uma lista de todos plásticos de uso único desnecessários e de um plano para a sua eliminação, apostando no desenho que favoreça a reutilização e novos modos de entrega dos produtos. Ou seja, temos uma maior preocupação com os outros R’s, para além de Reduzir, Reutilizar e Reciclar, Refletir (quem concebe o design de um produto) e Recusar (o uso de materiais que não sejam reciclados).
É isto que este compromisso visa atingir, possibilitar que todas as embalagens colocadas no mercado possam ser recicladas, CASO SEJAM RECOLHIDAS SELETIVAMENTE. Este é o cerne da questão, é absolutamente necessária a colabo- ração da população, sem a qual esta reciclagem não será possível. É necessário que os Munícipes em suas casas façam a separação das embalagens para os ecopontos.
Em 2019, cerca de 40% dos resíduos indiferenciados eram resíduos recicláveis que deveriam ter sido colocados no ecoponto. Só no caso da Braval, das 90.000 toneladas de resíduos depósitados em aterro, cerca de 40.000 toneladas eram embalagens que poderiam ter sido recicladas, caso os munícipes as tivessem separado para o ecoponto. É isto que tem de mudar.
Ajude-nos, ajudando-se!

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho