Correio do Minho

Braga,

- +

Os magníficos irmãos Sameiro

Importe-se menos

Os magníficos irmãos Sameiro

Ideias

2021-10-17 às 06h00

Joaquim da Silva Gomes Joaquim da Silva Gomes

Não é muito fácil encontrar uma família em que três dos seus membros, neste caso irmãos, tivessem obtido uma notoriedade desportiva e social tão elevada como aconteceu com os célebres irmãos Sameiro.
Existe nos registos paroquiais de Rossas (Vieira do Minho) uma certidão de nascimento onde consta que o mais célebre dos irmãos, Vasco Santiago Ribeiro Pereira do Sameiro, nasceu nessa freguesia, a 3 de março de 1906, sendo filho de António Gaspar Ribeiro e Maria dos Prazeres Cruz Ribeiro, que viriam a casar na freguesia de S. Victor, em Braga. Há a referir que a sua família adquirira, então, uma propriedade, conhecida por “Sameiro”, e daí terá derivado o nome “Sameiro”.
Entre os três irmãos (Gaspar, Roberto e Vasco) o que mais se notabilizou foi precisamente Vasco Sameiro tendo, também, uma carreira desportiva mais longa do que a dos seus irmãos.
O seu irmão Gaspar venceu, em 1931, o Primeiro Circuito de Vila Real, tendo pilotado um Ford A, enquanto o irmão Roberto pilotou um Alfa Romeo 6C 1750. No ano seguinte foi a vez de Vasco Sameiro vencer esse “Circuito de Vila Real”.

Ainda nesse ano de 1932, a família de pilotos “Sameiro” obteve uma grande projeção nacional, após a participação, no dia 3 de abril de 1932, no “II Circuito do Campo Grande”, em Lisboa.
Apesar de terem disputado essa prova com os melhores pilotos nacionais, a classificação final desse circuito não deixou dúvidas a ninguém acerca das qualidades desportivas destes irmãos: o primeiro lugar foi para Gaspar Sameiro, o segundo lugar para Vasco Sameiro e o terceiro lugar para Roberto Sameiro!
Numa época em que as provas automobilísticas atingiram grande projeção popular, os feitos alcançados por estes irmãos foram amplamente espalhados pelo país e, principalmente, por esta região.

Assim, três dias após a realização desse circuito em Lisboa, efetuou-se, em Braga, uma receção memorável em locais como o “Hotel Aliança”, palco de um majestoso banquete, e no “Café Vianna”, onde foram agraciados por alguns dos principais representantes das instituições locais, que ocuparam na totalidade o salão de festas desse café. Também “A Brasileira” ofereceu o café a todos os convidados do banquete realizado no “Hotel Aliança” e a Rádio Braga dedicou algumas melodias aos irmãos Sameiro.
Uma das mais afamadas provas em que Vasco Sameiro participou ocorreu no ano seguinte, em Barcelona, onde obteve o segundo lugar, o que motivou uma nova e gigantesca receção popular em Braga, que ocorreu a 3 de julho de 1933.

Após ter marcado presença no célebre “Circuito de Montjuich”, em Barcelona, numa corrida onde estiveram presentes alguns dos melhores pilotos da época, e apesar de ter ficado em segundo lugar (o vencedor foi Zanelli), o feito alcançado por Vasco Sameio foi amplamente reconhecido a nível nacional, tendo em Braga sido realizada uma das mais notáveis receções alguma vez efetuadas a um desportista português. Esta gratidão deveu-se, também, ao facto de Vasco Sameiro, nessa corrida, ter competido com um automóvel tecnicamente inferior aos outros concorrentes e ainda por ter contado com menos apoio mecânico que o dos outros pilotos.

Numa entrevista concedida ao “Diário do Minho” (4 de julho de 1933), Vasco Sameiro confirma que “O «Alfa» que levei era de categoria inferior à de todos os outros que disputavam a prova, tendo uma cilindrada de 2.300 c.c.”, e a dos outros corredores era de 2.600 cc. Nessa entrevista, acrescentou ainda que os outros pilotos fizeram-se acompanhar por “mecânicos e engenheiros especializados” enquanto ele foi acompanhado por um “médico, um aviador e um arquitecto”. Aí recorda que as últimas oito voltas da corrida foram de grande dificuldade, uma vez que o seu carro estava quase sem piso nos pneus, o que o obrigou a reduzir a velocidade, perdendo vinte segundos em cada volta (três minutos no total).

A receção de Vasco Sameiro começou no dia 3 de julho de 1933, em Valença, onde por volta das sete horas da manhã vários dos seus amigos saíram de Braga, em direção à fronteira, para receberem dignamente o automobilista. Em Barcelos, foi “alvo duma nova e quente manifestação por parte dos automobilistas daquela cidade que tiveram a gentileza de lhe oferecer um lindo ramo de flores” (id.).
O trajeto entre Barcelos e Braga foi marcado pela presença, na berma da estrada, de centenas de pessoas, que prestavam regozijo público pelo feito alcançado pelo piloto. Na freguesia de Ferreiros aguardavam-no muitos automobilistas e representantes das várias instituições da cidade dos arcebispos. De Ferreiros até ao centro da cidade formou-se um grandioso cortejo, liderado pelos Bombeiros Voluntários de Braga e pela banda da Oficina de S. José, no qual participou o próprio piloto e o “Alfa”, com o qual competiu em Barcelona.

No almoço de homenagem a Vasco Sameiro, que se realizou no então hotel “Gomes&Matos”, marcaram presença vários convidados, para além de milhares de pessoas que se aglomeravam nas suas imediações. Esse almoço, onde o vinho do Porto foi oferecido pela Companhia de Geral da Agricultura dos Vinhos do Alto Douro, foi marcado por várias intervenções adulatórias a Vasco Sameiro, tendo inclusivamente a Alfa-Romeo enviado um fax, onde apresentava as “vivíssimas congratulações pela otima posição obtida em Montjuich”.

Nas décadas seguintes, Vasco Sameiro participou em centenas de corridas, realizadas não só em Portugal, mas também na Europa e no Brasil. Foi um dos principais rostos das célebres marcas “Alfa Romeo” e “Ferrari”.
Após o grave acidente que sofreu, aquando da realização do Circuito da Boavista, a 26 de junho de 1955, Vasco Sameiro nunca mais conseguiu atingir os níveis de competitividade que até então conseguiu, abandonando a carreira de piloto três anos depois.
Vasco Sameiro faleceu aos 95 anos de idade, em Braga, exatamente a 27 de junho de 2001, sendo posteriormente trasladado para o cemitério de Rossas, sua terra Natal.
O seu nome está perpetuado desde 1993, em Palmeira - Braga, ano em que foi inaugurada a “Pista de Velocidade Vasco Sameiro”.

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

04 Dezembro 2021

Choque fiscal

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho