Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Onde está a mulher de vestido verde com fios dourados?

O que nos distingue

Conta o Leitor

2016-08-17 às 06h00

Escritor

Ana Ferreira

Em outubro de 1952 nascia um menino, como tantos outros, na cidade de Braga. Menino esse, hoje com 63 anos de idade, que marca a diferença e que se alimentou de um dos sonhos da vida dele que guardou na sua memória no seu coração.
Fazendo frente a uma doença que o arrumou fisicamente, sempre lembrando aquela mulher de vestido verde com fios dourados onde no seu colo deitava a cabeça e com a sua mãozinha estendida no peito daquela mulher adormecia sempre olhando serenamente os seus fios dourados.
Este menino cresceu, fez a escola, trabalhou e emigrou para o Brasil em busca de uma vida melhor levando na bagagem a imagem do sonho verdadeiro, do menino que se aconchegava num colo de ouro.

Os anos foram passando até descobrir a artrite reumatoide tendo-lhe afetado toda a parte motora do seu corpo, coluna, mãos, pés, joelhos,…até que teve um AVC. Muito sofreu e tudo suportou, mas nunca perdeu a capacidade de pensar, falar e sonhar com a imagem da sua terra natal.
As saudades do seu país e da sua família eram imensas, no entanto, nas horas mais difíceis em que a dor lhe trespassava o corpo e o espirito, ele fechava os olhos e lembrava o colo de ouro daquela mulher de vestido verde com fios dourados que lhe transmitia calma e que o protegia afagando-o com o calor do seu peito de uma forma que apenas o menino podia sentir.

Foi esta magia, até aos dias de hoje, que fez com que este menino se transformasse num grande homem e que nunca perdesse o seu coração de criança. Escolheu-me para ouvir o sonho que sempre o alimentou sendo que não poderia ser outra pessoa que não eu, pois enquanto o menino sentia o colo de ouro da mulher de vestido verde eu estava no ventre desse colo preparando-me para vir ao mundo.

Em abril de 1955, a mulher de vestido verde dava à luz uma menina que tem hoje 61 anos. A menina não guarda sonhos, mas sonha ouvindo os sonhos dos outros.
Esta história simples e verdadeira resolvi escrever para que a memória não me falhe. Vivi a dignidade humana ouvindo o sonho desde menino/homem que através do seu passado foi conseguindo atenuar o sofrimento através dos tempos.

Eu também senti o calor do colo da mulher, mas nunca a vi no seu vestido verde com fios dourados, esse sonho apenas pertence ao menino cuja força me contagia e também me alimenta.
A mulher de vestido verde com fios dourados apenas pertence ao menino e à menina e onde quer que esteja estará sempre de olhos postos nos seus queridos meninos, protegendo-os e aconchegando-os com o seu colo de ouro.

O menino e a menina usufruem da mais rica herança, a imagem do aconchego do colo de ouro.
Obrigada porque existimos!
Obrigada porque nos embalaste no teu colo de ouro!
Até sempre com amor.
Independentemente da cor do vestido, a mulher do colo de ouro está no coração de cada filho e a sua cor é a mais pura, a verdadeira e a legitima pois é a COR DO AMOR.

Deixa o teu comentário

Últimas Conta o Leitor

31 Agosto 2018

Ingratidão

30 Agosto 2018

Humanum Amare Est

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.