Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Oh, posição mais falsa!

Saúde escolar: parceiro imprescindível das escolas de hoje

Ideias Políticas

2013-04-02 às 06h00

Carlos Almeida

Ao que parece, Ricardo Rio continua a achar que é o dono da oposição em Braga e que ele, e apenas ele, é que tem (supostamente) combatido a gestão do PS na Câmara Municipal.
Há dias, no seguimento de uma declaração da CDU sobre os escombros da Piscina Olímpica, em que lembrávamos que a CDU “se opôs, desde o início, em sede de executivo municipal, ao projecto de construção da piscina olímpica e que foi, inclusive, a única força política a fazê-lo”, Ricardo Rio apressou-se a desmentir tal facto, suportando-se para o efeito numa longa Declaração de Voto do ano de 2005, na qual, curiosamente, diz uma coisa e o seu contrário.

O que Ricardo Rio não percebeu é que não está em causa se ele e a sua coligação votaram contra aquele projecto de piscina olímpica. Está, isso sim, em causa o acordo de Ricardo Rio e da sua coligação quanto à construção de uma piscina olímpica em Braga. Algo que ainda hoje defende, como podemos comprovar nas recentes declarações que produziu sobre o assunto.
Uma vez mais, Ricardo Rio pretende centrar as discussões na forma, pois sabe que quanto ao conteúdo pouco ou nada o separa da gestão do PS na Câmara de Braga.
E é esse o traço fundamental da dita oposição feita pela coligação Juntos por Braga. Uma oposição que não é, mas quer parecer.

Noutras matérias a solução é semelhante. O caso da parceria público-privada para a construção de equipamentos desportivos em Braga - os tais campos de futebol sintéticos e alguns pavilhões - é mais um gritante exemplo disso mesmo. Neste caso, a coligação de direita liderada pelo PSD também se opôs à proposta do PS, muito embora adopte exactamente o mesmo modelo de PPP noutros Municípios em que está no exercício do poder.

Mas nem precisamos de ir tão longe: mesmo no que res-peita a políticas de gestão municipal em Braga, a coligação PSD/CDS/PPM tem defendido propostas de implementação de parcerias público-privadas em várias situações, entre as quais a da mal amada Piscina Olímpica, ou ainda, mais recentemente, a da reconversão da fábrica Confiança. Na verdade, é uma postura que chega a lembrar uma espécie de brincadeirinha entre garotos em que um diz ao outro: “a minha PPP é melhor que a tua!”. Bem sei que nesta altura poderão pensar que o meu esforço é o de colocar a coligação PSD/CDS/PPM no mesmo saco em que está o PS. No entanto, desenganem-se. Não há esforço algum da minha parte. Eles fazem-no sozinhos.

Ainda na última reunião de Câmara, PS, PSD e CDS votaram por unanimidade a isenção de pagamento de IMI, durante 25 anos, a um parque de estacionamento de uma unidade hoteleira. Esta decisão recordou-me de imediato uma outra em tudo semelhante, em que os mesmos partidos aprovaram em reunião de Câmara, também por unanimidade, a isenção de IMT e IMI, também durante 25 anos, à BragaParques.

Assim, enquanto uma larga grande maioria dos bracarenses estão a ser confrontados com valores mais elevados de IMI, o PS, o PSD e o CDS acabam de libertar do pagamento desse imposto, durante 25 anos, determinados grupos económicos.
Ora, se o Partido Socialista tem uma “oposição” destas na Câmara Municipal de Braga, é, no mínimo, legítimo que nos questionemos: precisará de aliados?

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias Políticas

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.