Correio do Minho

Braga, terça-feira

O regresso à agricultura!

Tancos: falta saber quase tudo

Ideias

2013-06-17 às 06h00

Artur Coimbra

Após décadas a falar-se da importância dos serviços e das potencialidades do turismo, paralelamente a um grande esforço de desindustrialização e de investimento na economia de casino, eis que o regresso à agricultura e ao mar está na ordem do dia.

E quem melhor do que o coveiro da agricultura portuguesa e da actividade pesqueira, enquanto primeiro-ministro, para apelar à necessidade de o país voltar a pegar nas máquinas e nas rabiças do arado de modo a dar a volta à situação calamitosa em que os portugueses se encontram, em resultado de políticas destruidoras do que melhor o país tinha, apenas porque a ganância da União Europeia impunha a lei do mais forte?

Cavaco Silva, em mais um 10 de Junho, regressou ao estafado slogan de que «vivemos tempos de riscos, incertezas e desafios». Por isso, é necessário ir em frente, de cabeça.
Mas não deixa de ser verdade que o discurso de Cavaco há uma semana foi demasiado vazio de conteúdo, volátil, desapegado da realidade e no qual os problemas fundamentais dos portugueses passaram em claro. O que diz bem do posicionamento ideológico do Presidente da República, no momento presente, inadmissivelmente assumindo ser uma “espécie de bóia de salvação do governo” (Constança Cunha e Sá), quando a missão do Supremo Magistrado da Nação é “ser presidente de todos os portugueses”. Mas já se viu que não é, nem faz tenção de ser e que não pretende dizer nada a ninguém, mas apenas marcar presença no discurso rotineiro que tem de produzir, a cada 25 de Abril ou 10 de Junho que passa!...

Na sua salvífica missão de apontar caminhos para a pós-troika, como se fosse o que mais preocupa os cidadãos neste momento (daí a vacuidade deliberada do discurso presidencial…), Cavaco Silva eviden- ciou a importância da agricultura (a par do património) como sectores de futuro, ressaltando a necessidade de aproveitar as nossas potencialidades, “que existem e são muitas”.

Falou do património cultural como sector estratégico, evidenciando que um estudo recente concluiu que o património histórico é um dos domínios em que se verifica maior crescimento do contributo do sector cultural para a riqueza nacional e que por isso é urgente conceder “especial atenção à salvaguarda e valorização” do património. Numa altura em que não há minimamente verbas para acorrer à degradação do património, estamos conversados.
Mas foi na agricultura que Cavaco mais se centrou, desde logo, obviamente, para se defender das justas acusações de que destruiu a agricultura e as pescas enquanto foi primeiro-ministro, entre 1985 e 1995.

Disse o Chefe de Estado que “há quem sustente que a adesão de Portugal às Comunidades [em 1986] implicou a destruição do mundo rural e a perda irreversível da nossa capacidade produtiva no sector primário. Este retrato é completamente desfasado da realidade”. É a sua defesa, fraca defesa.

Desfiou números, estatísticas, argumentos para fazer crer que o sector agrícola está hoje em Portugal mais forte e produtivo que há 30 anos. Ou seja, a agricultura foi dizimada, o número de agricultores ficou reduzido a uma percentagem residual da actividade económica, mas no fim de contas, apesar de tudo isso, milagrosamente, “a produtividade da terra cresceu 22% e a produtividade do trabalho agrícola aumentou 180%”. Espectáculo malabarístico! Importa-se de repetir?

Ou seja, a situação evoluiu, o analfabetismo agrícola desapareceu e a paisagem social dos nossos campos mudou - e muito, como quer o herói de Boliqueime, concluindo que “a evolução da nossa agricultura constitui um bom exemplo da necessidade de abandonarmos ideias feitas e preconceitos, de ultrapassarmos a tendência para o derrotismo e o pessimismo”.

Na tentativa frustrada de ajudar o governo, como se fosse um secretário de estado de Assunção Cristas, Cavaco Silva continua a tentar transmitir provas de vida, o que nem sempre é fácil.
E desde logo, basta olhar em nosso redor para se perceber que o discurso de Cavaco não cola com a realidade. Os campos estão ao abandono, os agricultores que os fabricavam estão a desaparecer, a economia rural é um mito, a nossa dependência agro-alimentar é assustadora.

Como reagiu o presidente da Confederação Nacional da Agricultura, além de fazer um «frete ao Governo», o Chefe de Estado está a regressar “à teoria do oásis», que o caracterizou na década em que governou o país e fez desaparecer o aparelho produtivo a nível agrícola e pesqueiro.
Por força da pressão e das determinações da Europa, em função das conveniências, ora se apoiava a plantação de pomares, ora se incentivava o arranque das macieiras. Ora se investia na vinha, ora se pagava para erradicar a vinha, em decisões irracionais e criminosas, meramente economicistas, que ainda hoje estamos a pagar e a lamentar.

Podem ter sobrado empresas com modos de produção intensivos e destruidores dos recursos naturais. Mas o certo é que, mesmo o sector agrícola, continua à mercê das grandes superfícies que estrangulam os preços, que os consumidores pagam com língua de palmo.
Pelo meio, desde o cavaquismo, ficaram os cadáveres de centenas de milhares de pequenas e médias explorações agrícolas familiares, que os programas europeus destruíram, inapelavelmente.

E o que não parou de crescer foi o défice da balança de pagamentos, em bens agro-alimentares, que está na ordem dos 3,5 mil milhões de euros por ano.
Uma enormidade, de que Cavaco Silva e os seus sucessores são responsáveis primeiros!
Mas é sempre interessante ouvir falar de agricultura, porque nela reside a alma da economia de um país, conceito que infelizmente se perdeu nas últimas décadas, em favor da especulação financeira e da economia baseada no lucro fácil, no despesismo e no consumismo desenfreados!
Mas é necessário falar da agricultura com verdade, com perspectivas realistas e não como mero e descredibilizado exercício folclórico, apenas para marcar calendário, como foi o caso.

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

23 Outubro 2018

Caminho perigoso

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.