Correio do Minho

Braga,

O primeiro momento

Escrever e falar bem Português: Um item complicado

Conta o Leitor

2011-07-08 às 06h00

Escritor

Por Alexandre Fernandes

Cabelo castanho, talvez aloirado, castanho aloirado, assim é que é! Uns enormes olhos verdes, mentira, castanhos, verdes acastanhados, assim é que é! Consome-me a minha imprecisão. Sorriso vibrante, gestos lentos, um falar descontraído! Mais de dois minutos a olhar para ela. Perdi a noção e deixei-a fugir por instantes…
Um olhar uma pausa um momento de vida. Gostava de saber o seu nome. O palco tinha a bandeira portuguesa como pano de fundo. Nisto avistei o Tó Neves! Mas queria lá eu saber do Tó Neves! Ela estava ali ao meu lado.
Ela, eu e a mãe…
Começou a chuviscar. Iniciamos uma viagem de diálogo, palavras com lampejos de vida.
O nosso verdadeiro desejo era a praia. Uma praia ou uma floresta, algo que identificasse o chão que ela pisa.
Os olhos foram ficando mais pequenos as palavras maiores. Deixei-as falar, eu apenas estava interessado em ouvir. Queria saber tudo no mais ínfimo pormenor, sem interrupções.
Comecei a reparar na boca dela, imaginei-a gasta. Não perdi contudo o desejo, como uma música que nos toca a alma e jamais se desvanece. Nenhuma melodia é perfeita mas nem assim, nem assim se desvanece.
Muito menos no primeiro momento…
 
As lojas começaram a fechar. São sete da tarde segue-se a noite. Fruída, totalmente fruída. Nisto um vagabundo à solta pela cidade de Braga à procura de não se sabe bem o quê, Do amor e outros demónios. Gabriel Garcia Marquez
Eu gostava de acreditar que todos os vagabundos são inocentes, mas não acredito. Deus dá-nos apenas a verdade, não há nada de errado nisso. Sobra apenas uma vaga de artista que existe para não magoar e o vadio já tem o corpo suficientemente macerado. Braga esconde mais um errante à peia.
Desejava ser Deus para tudo poder acolher, mas nem Deus acolhe tudo…        
Quando se preparava a hora da despedida, o meu coração reagiu em sobressalto (sonhei com ela despida). Esperava ansiosamente por esse primeiro beijo. Ainda que incauto…
Era tudo que podia mendigar nesse primeiro momento. Não desiludiu esse beijo, jamais desiludiria tamanha era a sua excelência. No voltar de costas ficou essa certeza -ela era tudo nesse instante para mim.
Tudo o resto podia esperar…

Deixa o teu comentário

Últimas Conta o Leitor

31 Agosto 2018

Ingratidão

30 Agosto 2018

Humanum Amare Est

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.