Correio do Minho

Braga, quarta-feira

O Natal de outrora e de agora

Por mais cultura do treino e treino baseado na ciência

Ideias

2012-12-24 às 06h00

Artur Coimbra

1. O Natal da minha infância era feliz, livre e puro. As preocupações não existiam na minha praia, longe disso. Era apenas criança e isso me bastava. Levantava-me, ia à escola ou à catequese, brincava longamente pela tarde fora, na altura em que as crianças ainda brincavam, inventando jogos, espaços e instrumentos para a sua distracção, fossem motas de madeira, carrinhos de rolamentos, corridas entre o mi-lho, assalto às árvores à cata dos ninhos, os jogos das ‘betas’ e dos botões que nos levavam clandestinamente a fiscalizar camisas, casacos e blusas da família com que pudéssemos reforçar o pecúlio do jogo. Quando a coisa corria mal, é que eram elas!... A pedagogia da lambada fazia maravilhas!...
Todo o ano desesperava pelo mês de Dezembro. A minha infância era órfã de pai vivo, emigrado em França desde o final dos anos 50, como acontecia a milhares de crianças como eu, num país oprimido, miserável, sem liberdade nem pão e que obrigava quem não queria estiolar à fome salazarista a ter de enfrentar o destino em direcção aos “bairros de lata” dos arredores de Paris. Naturalmente, em busca de uma vida melhor para si e para os seus.
Como eu esperava, ano após ano, a chegada de Dezembro!.. Dezembro que era o tempo em que meu pai regressava do país da abundância e das oportunidades, carregado de chocolates e caramelos, com um cheiro civilizado e intenso a perfume e aos cigarros ‘Gauloises’, que me encantava. Aí por meados do mês, eu tinha outra vez pai, que me levava à pesca, me convidava a acompanhá-lo à feira de Fafe, me levava ao futebol e fazia todo o esforço por não ter de exercer a “autoridade paternal”, que era normal na época, no mês em que aqui estava de férias, quando o meu lado rebelde se portava mal. Essa coisa da “educação” e da “criação”, com tudo o que supunha, estava a cargo da mãe, que cá ficava a mourejar ao longo do ano e que desempenhava simultaneamente o papel do progenitor ausente. Era uma autêntica heroína do nosso quotidiano, reconheci-o bem mais tarde, com toda a justiça.
Então, o Natal era o ‘must’. Como eu apreciava o afã feminino dos preparativos para a ceia, envolvendo as mulheres da casa, sobretudo a minha mãe, em quem recaía a tarefa de ir à horta cortar as tronchudas, mas também fazer os mexidos, a aletria e as rabanadas, cozer as batatas e o bacalhau, que sabiam como em nenhum outro dia do ano, acompanhados por alhos e cominhos. Ainda hoje me acontece o mesmo: o simples cozido de batatas e bacalhau, acompanhado pela verdura, tem na noite de 24 de Dezembro um sabor singular, absolutamente delicioso e irrepetível. Que saudades do calor da lareira, criado artisticamente pelo meu pai, com toros de madeira especialmente concebidos para aquela noite, que mais que o corpo, aqueciam a inocência da minha pequena alma.
E pela cozinha ficávamos horas e horas, afogueados pelas labaredas, a ouvir histórias de França e daqui, que a televisão ainda não era o utensílio democrático que seria anos depois.
Já não me recordo se havia também a missa do galo na igreja da paróquia mas, cansado dos dias de brincadeira e de frenesim, adormecia no sono dos justos até à manhã seguinte. Porque, por aquele tempo, não havia Pai Natal (essa desgraça de velho gordo fora do tempo inventada pela Coca-cola…) a distribuir presentes na noite de consoada. As crianças colocavam um sapatinho ou uma chanca debaixo da chaminé para que o Menino Jesus aí depositasse uma lembrança. Que era um mísero chocolate, uma dúzia de rebuçados, uma boneca ou uma moeda de vinte e cinco tostões. E eu ficava imensamente feliz com o presente que me calhava, num tempo em que de pouco termos estávamos mais próximos da plenitude. Tudo o que viesse era uma bênção e as crianças apreciavam tudo o que recebiam.
Ainda hoje o Menino Jesus é o meu herói de Natal, se é que tenho algum herói, do que duvido cada vez mais: rechonchudo, belo, nu, sorridente, simboliza a esperança e tudo o que começa.
Refiro-me ao Menino Jesus do poema do Alberto Caeiro, uma criança bonita de riso e natural, que ensina a olhar para as coi-sas, que aponta toda a beleza que há nas flores, a Eterna Criança, o deus que faltava, o humano que é natural, o divino que sorri e brinca, e que dorme dentro da minha alma, e às vezes acorda de noite a divertir-se com os meus sonhos.
Qual Pai Natal, qual quê?

2. O meu Natal de hoje é bem mais triste. Já não tenho infância, que habita apenas a memória. Fui perdendo a inocência, no embate com a fuliginosa e perversa realidade, ano após ano; fui deixando pelo caminho quem muito amava. A casa já não é a mesma, a lareira já não acende, com o fogo de outrora; há mais duas cadeiras desertas na mesa da consoada, dois pratos ausentes a encher o coração de mágoa, de lágrimas e de saudade inapelável. De um vazio insuprível, que só avalia quem passou pelo mesmo transe!
Natal em que, anualmente, maquinalmente, invocamos a solidariedade como exercício ético e do âmbito categórico do dever ser.
E ainda bem que a “solidariedade não está em crise”, como referia este jornal na edição de sábado, nas palavras do administrador dos Serviços de Acção Social da Universidade do Minho, Carlos Silva. O voluntarismo e a solidariedade são ainda âncoras neste bárbaro país da injustiça e do empobrecimento propositado!... Sobretudo numa altura em que a pobreza alastra, a fome espreita, o desemprego se multiplica assustadoramente.
O Natal acaba por mascarar demasiada hipocrisia mas apela ao que de mais humano, profético e poético há no homem. O sentido da fraternidade, do altruísmo, do humanitarismo, da dádiva gratuita e quase divina.
“Paz na Terra aos homens de boa vontade...” - apetece repetir, com Gedeão, apesar de toda a miséria, dos conflitos e da cri-se que nem o espírito de Natal consegue obnubilar.
Feliz Natal para os amáveis leitores do Correio do Minho, seus dedicados colaboradores e caríssimo director. E que o ano de 2013 seja pelo menos bem melhor do que as dramáticas perspectivas que dele se anunciam. Havemos de sobreviver ao holocausto da crise!...
Boas Festas!

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

22 Novembro 2018

Escola em mudança

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.