Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +

O Futuro da Europa

A Biblioteca Escolar – Um contributo fundamental para ler o mundo

Ideias

2010-12-24 às 06h00

J.A. Oliveira Rocha J.A. Oliveira Rocha

Que a Europa deixou de ser a mesma é uma verdade de La Palisse. Na verdade, ou a Europa rapidamente avança para um nível superior de integração política, ou então desintegra-se. No primeiro caso, a Europa das nacionalidades tem que ser substituída por um sistema político integrado, em que as decisões sejam tomadas por órgãos políticos eleitos e não por representantes dos diversos governos ou por estes nomeados.

Doutra forma, reinará o egoísmo nacionalista mais feroz e a tentativa de impor posições políticas ditadas pelo interesse nacional dominante. É o que está acontecer; a política económica e financeira é ditado pelos interesses alemães.

Se não se der uma recomposição política, o centralismo alemão será rapidamente ostracizada, a Europa desmantelar-se-á, o euro dará lugar ao marco e o centro da Europa deslocar-se-á para leste.

Mas não basta uma nova arquitectura política para salvar a Europa. A crise de 2008 e as aventuras no Iraque e Afeganistão puseram a nu as fragilidades da civilização ocidental de que a Europa é um pólo importante. O seu modo de vida e os seus valores operadas no Estado Social tendem a ruir em favor das novas potências económicas emergentes, em especial da China e Índia.

Esta semana ouvi uma entrevista dum economista indiano, o qual sublinha que o ocidente e, em especial a Europa, seu elo mais fraco, têm que a habituar-se a viver ao mesmo nível desses países. O mesmo é dizer, abandonam as políticas sociais e o nível de vida a que habituou os seus cidadãos.

Se o não fizer, em menos de duas décadas, os europeus serão ultrapassados pelos indianos. E como estes, actualmente, passarão a ser pagos por um dólar por dia.
É uma visão catastrófica, mas os europeus têm que mudar de vida. Os seus padrões de vida não são sustentáveis numa economia global. Depois de cinco séculos de dominação global, a Europa deixou de ser o centro do mundo. A sua abordagem científica e racional foi integrada noutras culturas que demonstram ser mais eficientes.

Muito brevemente o ritual do Ano Novo Lunar será mais importante que o Presépio e o Pai Natal.
Boas Festas a todos e muita resistência para aguentar o Novo Ano.

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

30 Novembro 2020

Um Natal diferente

29 Novembro 2020

O que devemos aos políticos

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho