Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +

O filme do Dia D...ez!

A praia: um lugar ameaçado de extinção

O filme do Dia D...ez!

Ideias

2024-03-09 às 06h00

Vítor Oliveira Vítor Oliveira

Escrevo esta crónica no Dia Internacional da Mulher, nas vésperas de homens e mulheres de Portugal escolherem, a nível nacional, que partido deve formar Governo. Este domingo, 10 de março, mais de 10,8 milhões de eleitores portugueses são chamados às urnas, dois anos antes do que seria suposto, para eleger os 230 deputados da Assembleia da República na próxima legislatura.
Domingo, os 10 canais televisivos portugueses (RTP, SIC, TVI, RTP3, SIC Notícias, CNN, CMTV, Porto Canal, RTP Açores e RTP Madeira) vão esmiuçar o dia eleitoral com emissões especiais, que se prolongarão pela noite dentro. Quando muitos dos votos já tiverem sido contados, será altura de passar do pequeno para o grande ecrã para assistir à 96ª cerimónia de entrega dos Óscares (RTP2).
Será um domingo de terror ou um filme de comédia. Dependerá sempre da perspetiva. Por enquanto, na antestreia, sabemos que será uma longa-metragem, com muitos protagonistas em palco, onde todas as atenções dos portugueses estarão viradas para as dezenas de rostos que vão confirmar, anunciar e analisar os vencedores, os heróis, os vilões e os derrotados destas eleições, motivadas pela queda antecipada do Governo de António Costa.
Desde essa altura, foram 10 as manifestações públicas que se fizeram sentir na rua. As forças de segurança, os enfermeiros, os agricultores, os médicos, os professores, os funcionários de escolas, os serviços judiciais, os ativistas pelo clima, a “islamização da Europa” ou os vários movimentos contra o racismo e os preconceitos anti-islâmicos preencheram o cartaz principal.
Agora, após 10 dias úteis de campanha, vivemos este sábado o dia de reflexão. Quando estiver a ler esta crónica, estará certamente à distância de 10 horas, 10 minutos ou 10 segundos de exercer o seu direito de voto. Provavelmente, ainda não terá tomado a decisão do filme que quer ver. Está a refletir. E bem. É para isso que o dia deste sábado serve: para realizarmos, todos, uma profunda reflexão, antes de escolhermos entre (quase) duas dezenas de partidos que vão a votos, desta vez!
Para trás, ficou o primeiro de três atos eleitorais agendados para este ano de 2024! As eleições dos Açores, realizadas a 10 semanas de distância da comemoração dos 50 anos do 25 de Abril, permitiram aquecer os motores para estas Eleições Legislativas – um sufrágio eleitoral que apenas deveria acontecer em 2026 (2+0+2+6=10).
Um comunicado do Ministério Público, com um parágrafo de 10 linhas, interrompeu uma legislatura sustentada por uma maioria absoluta socialista, que caminhava para uma… década! Alvo de um inquérito judicial instaurado pelo Ministério Público no Supremo Tribunal de Justiça, no âmbito da Operação Influencer, António Costa optou por sair ao fim de… 10 meses de 2023!
E as eleições foram convocadas para o dia 10 de março. Que são já amanhã, domingo! Para trás, ficam dezenas e dezenas de horas de campanha, de “fitas”, de novelas, de folhetins e de peripécias mil, também. Lembremos somente… 10! Dez que marcaram estas duas semanas de campanha. A primeira delas manchou (literalmente) o casaco de Montenegro. A tinta verde era escusada. Bastava um diálogo com o ativista. Que entrou novamente em cena, na RTP, no debate em direto com todos os candidatos.
Em Guimarães, um vaso voador abriu telejornais, a par de furtos de carteiras que afetou uma dezena de militantes. Já Nuno Melo, entusiasmado, apelou ao voto em Pedro Nuno Santos! É certo que corrigiu a seguir, mas foi pior a emenda que o soneto, quando deixou escapar um sonoro e embaraçador: “Cruzes… canhoto!”.
Às direitas, apareceu Manuel Luís Goucha a apelar ao voto na AD. Estrategicamente, o alvo era atingir os idosos que idolatram o conhecido apresentador das tardes televisivas. Por falar em idosos, a Mariana Mortágua lembrou-se da… Avó! E da ordem de despejo que, afinal, pode não ter acontecido.
E, por falar nisso, está ainda por apurar a proveniência do tiro na caravana do Chega, em Famalicão. Um tiro que terá sido (mais) um rater de uma moto que seguia na própria caravana do partido. Só querem Fama(licão), perguntará o estimado (e)leitor?
PS:. Nestas eleições legislativas, concorrem mais de 10 forças políticas. São 19! E apenas uma é estreante, o partido Nova Direita. Este domingo, 10 de março, saber-se-á o nome do vencedor. Lá para as 10 da noite…

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho