Correio do Minho

Braga, terça-feira

O Escutismo, a Laudato Si’ e o Ano da Misericórdia

Sem Confiança perde-se a credibilidade

Escreve quem sabe

2016-03-11 às 06h00

Carlos Alberto Pereira

Atrilogia que compõe o título do artigo de hoje, leva-nos a procurar resposta a uma simples questão: O Escutismo, enquanto movimento de (auto)educação para a cidadania à luz da fé professada, incorpora, no seu universo educativo, a vivência dos temas abordados na Encíclica Papal e o desafio de levar uma vida marcada pelas Obras de Misericórdia?
O papa Francisco, na sua mensagem para o ano jubilar da Misericórdia dos adolescentes, afirma: «”Crescer misericordiosos como o Pai” é não só o título do vosso Jubileu, mas também a oração que fazemos por todos vós, recebendo-vos em nome de Jesus. Crescer misericordiosos significa aprender a ser corajosos no amor prático e desinteressado, significa tornar-se grande tanto no aspecto físico, como no íntimo de cada um. Estais a preparar-vos para vos tornardes cristãos capazes de escolhas e gestos corajosos, capazes de construir cada dia, mesmo nas pequenas coisas, um mundo de paz.»
Por sua vez, no VI capítulo da Encíclica, sob o título: Educação e espiritualidade ecológicas, o Papa afirma: «202. Muitas coisas devem reajustar o próprio rumo, mas antes de tudo é a humanidade que precisa de mudar. Falta a consciência duma origem comum, duma recíproca pertença e dum futuro partilhado por todos. Esta consciência basilar permitiria o desenvolvimento de novas convicções, atitudes e estilos de vida. Surge, assim, um grande desafio cultural, espiritual e educativo que implicará longos processos de regeneração.»
Tanto o texto da Laudato Si’, como nos do Ano da Misericórdia, Francisco convida-nos a fazermos uma mudança de rumo na nossa vida, à conversão, à ação e a assumirmos o cuidado da “nossa casa comum” e do outro, isto é, do “próximo”.
Baden-Powell inscreve na Lei do Escuta dois artigos que acolhem este convite papal: «6º. O Escuta protege as plantas e os animais» e «4º. O Escuta é amigo de todos e irmão de todos os outros Escutas». Por sua vez, o programa educativo do CNE - enquadrado pelas seis áreas de desenvolvimento: físico, afetivo, do caráter, espiritual, intelectual e social, que por sua vez se subdividem, cada uma delas, em três trilhos e, para cada um destes, foram definidos objetivos educativos, apropriados às faixas etárias de cada uma das quatro Secções - procura integrar, de forma gradativa, os conteúdos dos textos do Papa, nas aprendizagens e nas vivências dos escuteiros.
Também o apelo à ação tem, no aprender fazendo e na prática diária da “boa ação”, 3º artigo da Lei do Escuta, uma resposta positiva neste método educativo, sintonizada com o pensamento de Francisco «211. [...] É muito nobre assumir o dever de cuidar da criação com pequenas ações diárias, e é maravilhoso que a educação seja capaz de motivar para elas até dar forma a um estilo de vida.» Este sentido de serviço aos outros está impregnado pelas 14 obras de Misericórdia, sejam elas as corporais ou as espirituais, porque envolvidas pelo “Amor ao Próximo”.
O escutismo é um espaço educativo transgeracional onde os mais velhos sabem que o material e equipamento que lhes é fornecido servirá para o mesmo fim da geração mais nova que os virá a substituir na Secção em que se encontram e que eles próprios receberão outro material, quando mudarem, eles próprios, de Secção. Esta ideia de uma posse temporal envolvida na responsabilidade de cuidar para, num futuro breve, entregar a outros utilizadores/cuidadores vem ao encontro da ideia expressa pelo papa Francisco na Laudato Si’: «159. [...] Já não se pode falar de desenvolvimento sustentável sem uma solidariedade intergeracional. Quando pensamos na situação em que se deixa o planeta às gerações futuras.», curioso porque o Papa se apoia e cita um extrato da Carta Pastoral: “Responsabilidade solidária pelo bem comum”, da Conferência Episcopal Portuguesa, de 15 de setembro de 2003: «o ambiente situa-se na lógica da recepção. É um empréstimo que cada geração recebe e deve transmitir à geração seguinte.» para melhor fundamentar a sua ideia de que «uma ecologia integral possui esta perspetiva ampla».

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.