Correio do Minho

Braga,

- +

O crepúsculo da Democracia

Os militares que provocaram o pânico na Igreja do Pópulo

O crepúsculo da Democracia

Escreve quem sabe

2021-04-30 às 06h00

J.A. Oliveira Rocha J.A. Oliveira Rocha

Neste fim de semana li o livro- O Crepúsculo da Democracia, da reputada jornalista norte-americana Anne Applebaum, publicado em inglês, em 2020 e acabado de traduzir para português. Neste mesmo fim de semana, o Expresso anunciava na primeira página que só 10% dos portugueses acreditavam viver em plena democracia.
O meu artigo procura articular estas duas notícias.
Anne Applebaum começa por analisar como o partido da Lei e Justiça se apropriou do poder na Polónia e como transformou o sistema político polaco numa democracia iliberal. Segundo um dos seus teóricos, o autoritarismo desconfia de ideias diferentes. É alérgico a debates políticos; manipula rancores e descontentamentos; canaliza a fúria e o medo, prometendo um mundo melhor. Uma vez no poder, não precisa de violência, mas do controlo da comunicação social, dos tribunais e das empresas públicas. Os colaboradores, próximos do líder, recebem contratos lucrativos, lugares nos conselhos de admi- nistração e salários sumptuosos. Trata-se de um sistema viciado, não competitivo que odeia o mérito e só, por necessidade, aceita eleições.

Orbán, usando a mesma estratégia da mentira, montou na Hungria, através do Fidesz, o mesmo modelo “democrático”, subsidiado por fundos comunitários. Apresenta-se como defensor da civilização ocidental, contra os imigrantes, em quanto, ao mesmo tempo, usa o nepotismo, a mentira e a desonestidade.
Ainda segundo a mesma autora, o autoritarismo de Boris Johnson não é muito diferente do dos seus colegas polaco e húngaro, só misturado com a nostalgia do passado imperial; e, daí, o Brexit e o ódio aos imigrantes que, segundo os defensores do Brexit, tiram o emprego aos britânicos. Mas a mesma ideologia informa o Vox em Espanha e o trumpismo nos Estados Unidos.
“As eleições, as campanhas, a formação das coligações- tudo isto parece retrógrado.” A pandemia tem acelerado esta tendência, contribuindo para o aumento do poder do Estado e em que os cidadãos aceitam medidas que, acreditam os vão salvar, nem que isso signifique a perda da liberdade. E conclui a autora “é possível que estejamos a viver o crepúsculo da democracia; que a nossa democracia se dirija para qualquer forma de tirania” Os pais da democracia americana procuraram impedir este risco, através do sistema de cheques e balanças, mas Trump esteve quase a destruir este equilíbrio.

A sondagem publicada no Expresso demonstra a mesma estratégia dos governos polaco e húngaro. Os cidadãos não confiam na democracia, nem no sistema político. Segundo a mesma sondagem, os cidadãos entendem que os políticos estão longe das pessoas; há filhos e enteados; o Estado é só para alguns. Certos órgãos de informação alimentam esta insatisfação e falta de confiança, ajudados pela ineficiência da justiça. A pandemia acentuou esta insegurança.
E já temos um partido que corporiza respostas a estes medos, mesmo que signifique castração química, aumento da atuação da polícia, intervenção no sistema judiciário, ódio aos imigrantes e diferentes, como os ciganos e africanos, considerados potenciais bandidos. Como temos um povo aberto à aceitação da mentira e da má língua, mas que, quando pisado, aceita de bom grado a limitação das suas liberdades.
Modelos de democracia iliberal já existem, chega liderar os medos e não confiança no sistema, mesmo que através de mentiras, calúnia e difamação.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho