Correio do Minho

Braga,

- +

O centenário do nascimento do professor Victor de Sá

Oh não, outra vez a paixão pela educação!

O centenário do nascimento do professor Victor de Sá

Ideias

2021-03-21 às 06h00

Joaquim da Silva Gomes Joaquim da Silva Gomes

Estamos a cerca de um mês da comemoração do 47.º aniversário do 25 de abril de 1974, acontecimento que nos permitiu recuperar a liberdade, arredada do nosso país durante 48 anos!
Estamos igualmente a cerca de sete meses de assinalarmos o centenário do nascimento do Professor Victor de Sá (nasceu a 14 de outubro de 1921).
Para que possamos usufruir da liberdade, após mais de 40 anos de regime ditatorial, muito devemos à luta, à ação, à persistência e à resiliência de um grupo de homens ousados, destemidos, que colocaram o interesse comum acima dos interesses pessoais. De entre esses homens há a destacar, obrigatoriamente, o papel desempenhado pelo Professor Victor de Sá.
Comemorar o nascimento do Professor Victor de Sá é um imperativo das gerações atuais e uma obrigação das instituições que fazem parte da sociedade.

Irreverente desde a sua juventude, Victor de Sá tinha uma personalidade forte, que não o inibia de questionar e até contrariar fosse quem fosse, inclusivamente os seus próprios pais.
Depois de frequentar o ensino primário na freguesia de Cambeses, Barcelos, na então escola “Maciel”, a família de Victor de Sá veio viver para Braga. Foi aqui que Victor de Sá desenvolveu uma intensa atividade social, cultural e política, que o levou a entrar em confronto com as autoridades locais e regionais, que não se coibiam de apresentar queixas frequentes, facto que o levou à prisão por sete vezes.
Nas comemorações do “Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas”, realizadas em Braga, no dia 10 de junho de 1990, o Presidente da República condecorou várias personalidades portuguesas. Entre elas estavam Salgado Zenha, Eurico de Melo e D. Eurico Dias Nogueira. Nessa cerimónia, Mário Soares entregou a Victor de Sá a Comenda da “Ordem da Liberdade”. Tratou-se de um reconhecimento justo a um homem que dedicou uma vida ao combate do autoritarismo, da repressão e da censura.

Assim, no ano em que se assinala o centenário do nascimento de Victor de Sá, creio ser obrigação daqueles que defendem a liberdade, a realização de uma homenagem que faça justiça a um homem invulgar na sua resiliência e na sua capacidade de luta.
Nas comemorações do centenário do nascimento de Victor de Sá, não devem entrar interesses ou promoções pessoais, nem jogos de influência associativa ou corporativa. Apenas a pureza da homenagem a um homem que norteou a sua vida pela hombridade e pela eloquência das suas palavras e dos seus atos.

Neste sentido, é indispensável a realização de uma dupla homenagem centrada em duas vertentes:
- A primeira, através da colocação de um monumento evocativo à liberdade, sempre defendida por Victor de Sá. Seria de toda a justiça que esse monumento fosse simbolicamente da autoria de um artista da sua freguesia natal (ex. Júlio Martins Ferreira) e colocado num local bem central de Braga, de preferência junto ao Teatro Circo, palco de muitas lutas por si perpetradas, uma das quais que levou à criação de “O Nosso Café”, símbolo de luta e de união de todos bracarenses.
- A segunda, através da realização de um colóquio evocativo da vida e obra, no qual deveriam ter a participação, sem qualquer tipo de complexos ou preconceitos, as seguintes entidades:
- Junta de Freguesia de Cambeses, onde Victor de Sá nasceu e viveu os seus primeiros anos, local que gostava de visitar sempre que podia, para aí percorrer os campos e contactar com familiares que aí continuam a residir;
- Câmara Municipal de Barcelos, concelho nativo de Victor de Sá;
- Câmara Municipal de Braga, concelho onde Victor de Sá viveu a maior parte da sua vida;
- Câmara Municipal de Sintra, concelho onde foi Presidente da Assembleia Municipal, em consequência das eleições autárquicas de dezembro de 1985;
- Jornal Correio do Minho, instituição que muito deve ao papel exercido pelo Professor Victor de Sá, nos meses que se seguiram ao 25 de abril de 1974, e cujo papel permitiu manter este importante órgão de comunicação social;
- Assembleia da República, onde exerceu o cargo de Deputado (eleito através das Legislativas realizadas a 2 de dezembro de 1979 e a 5 de outubro de 1980) e onde teve intervenções no plano social e cultural altamente elogiadas e respeitadas pelos seus pares;
- Faculdade de Letras da Universidade do Porto, instituição de ensino onde Victor de Sá lecionou e onde criou as cadeiras de “História Contemporânea de Portugal” e de “Colonialismo e Descoloniza- ção”;
- Universidade Lusófona – Lisboa, onde existe a Biblioteca Geral Professor Victor de Sá, e onde estão cerca de 3.000 monografias pertencentes ao “Fundo Documental Professor Victor de Sá”;
- Biblioteca Pública de Braga, onde se encontra um conjunto de livros e documentos de natureza histórica, literária e de investigação, doados pelo Professor Victor de Sá à Universidade do Minho, em 1991;
- Universidade do Minho, instituição onde Victor de Sá foi dos primeiros professores, começando aí a lecionar logo em 1975. É a Universidade do Minho a instituição responsável pelo Prémio Victor de Sá, este ano na sua 30.ª edição, e que pretende incentivar nos jovens o estudo da História Contemporânea;
Por fim, a Presidência da República, órgão máximo do nosso país e regime que foi por si defendido para manter nos seus princípios de liberdade e de respeito.

As comemorações do centenário do nascimento do Professor Victor de Sá devem ser assinaladas, repito, sem qualquer preconceito individual ou coletivo, e, para além de indispensáveis, devem ser pautadas pela referência à Liberdade e à Democracia, valores que foram centrais na vida de um dos símbolos máximos do Portugal da segunda metade do século XX.

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

02 Outubro 2022

O véu à Americana

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho