Correio do Minho

Braga,

- +

Nível de felicidade, em Portugal

Os passos seguros de Pedro Nuno Santos

Nível de felicidade, em Portugal

Ensino

2023-01-18 às 06h00

Francisco Porto Ribeiro Francisco Porto Ribeiro

O presente artigo de opinião versa sobre o posicionamento do nível de felicidade sentido pelos portugueses. Trata-se de dados apurados e reunidos no Relatório Mundial de Felicidade, Benevolência e Confiança, durante o período da Covid-19 (World Happiness Report 2022), conforme se poderá consultar em https://worldhappiness.report/ed/2022/happiness-benevolence-and-trust-during-covid-19-and-beyond/. Conforme refere o documento, o propósito é olhar para trás por forma a conseguir projetar e melhorar um futuro próximo. Assim, o relatório refere que, em 2021, Portugal posicionou-se no 56 .º lugar da lista dos países mais felizes (pontuação de 6,016), entre uma análise feita a 146 países mundiais. Agora, o que não é de espantar é que os lugares de topo sejam ocupados pelos países nórdicos, o que levanta a questão, será que o frio é um motivo de felicidade? Não me parece, logo eu que adoro o sol, mas deixa espaço para ponderar (apesar de sermos um país de muito sol, temos elevado número de pessoas com pouca vitamina D, o que é de espantar). Mas claro que outros fatores são considerados na análise do World Happiness Report 2022 como sejam o nível de governação, o modelo em curso, a responsabilidade social e o individualismo. Em concreto, no referido relatório é feita uma pontuação de 0 a 10 (nível máximo de felicidade), tendo analisado seis aspetos distintos relacionados com o PIB (Produto Inter- no Bruto) per capita, a expectativa de vida saudável e de apoios sociais, a liberdade individual, a generosidade individual e cooperativa e a perceção da corrupção. Pois é, de acordo com o relatório, parece que este último aspeto contribuiu muito para baixar a média do nível de felicidade do nosso país. E agora senhores políticos, o que fazer com estes dados e com tudo isto? Que leitura fazem destes valores, não vos levanta preocupação? Ou será que irão fazer vista grossa sobre o assunto, como de costume?
Voltando ao posicionamento do país neste ranking de Felicidade, Benevolência e Confiança, não é de espantar que o primeiro lugar seja ocupado pela Finlândia (com 7,821 pontos), logo seguido da Dinamarca (7,636 pontos), Islândia (7,557 pontos), Suíça (7,512 pontos) e Países Baixos em quinto lugar (7,415), e continuando por aí fora. Mas há mais que se pode extrair deste relatório e que, parece-me, pode ser preocupante. É que, em resumo, os portugueses na sua honrosa 56.º posição (com 6,016 pontos) distanciam-se dos seus congéneres do Sul da Europa, como a Espanha (na 29.ª posição, com 6,476 pontos) e a Itália (na 31.º posição, com 6,467 pontos) – parece que houve troca de número, mas não, é mera coincidência. Mesmo assim, conseguimo-nos manter à frente da Grécia (na 58.ª posição, com 5,948 pontos). Pois é, afinal, estes quatro países têm muito sol, mas ainda temos um longo caminho a seguir ao nível da felicidade dos seus constituintes – será falta de vitamina D? Podemos dizer, com orgulho, que no caso de Portugal, estamos acima da média (a meio entre os níveis de 0 a 10).
Agora, se analisarmos estes dados com o período homólogo, nem tudo é mau, porque Portugal tem mantido o seu ritmo de ascensão. Em 2021, subimos três posições face ao período homólogo, considerando os dados de 2020, onde nos encontrávamos na 59.ª posição. Já comparando com dados de 2019, onde ocupávamos o 66.º lugar, melhoramos 10 lugares. E se formos mais atrás, e considerando a última década, Portugal tem sempre melhorado os seus índices, esse é um facto indiscutível. Olhando para os dados de 2013 e 2015, onde ocupávamos a 85.ª posição, com 5,101 pontos, a partir daí tem sido sempre numa simpática curva com sentido positivo de ascensão (https://pt. countryeconomy.com/demografia/indice-mundial-felicidade/ portugal). Admitamos que não é mau uma vez que, neste mais recente ranking, posicionamo-nos à frente de muitos países como, por exemplo, a Rússia (na 80.ª posição, com 5,459 pontos) e até Moçambique (na 101.ª posição, com 5,048 pontos). Na base da lista encontra-se o Afeganistão (na 146.ª posição, com 2,404 pontos).
É possível acrescentar que este é o décimo ano que o World Happiness Report é elaborado, compilando sempre os dados dos três anos anteriores de pesquisa, por forma a melhorar a amostrar e fazer com esta seja mais correta. Se considerarmos que esta análise apanhou o mundo inteiro em situação de alerta, devido à Covid-19, tendo este “vírus” forçado a situações de isolamento, será de esperar que os dados do corrente ano de 2022 já reflitam a “abertura” social que disfrutamos. Vamos aguardar.
Fica esta minha preocupação e a partilha.

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho