Correio do Minho

Braga,

- +

Mais ação e dedicação pela saúde dos portugueses

O Corpo Nacional de Escutas nos Açores

Mais ação e dedicação pela saúde dos portugueses

Ideias

2023-12-10 às 06h00

Sérgio Castro Rocha Sérgio Castro Rocha

Neste Natal desejo essencialmente muita saúde a todos os portugueses, para evitar recorrerem às urgências dos hospitais. Vivemos um período espinhoso na área da saúde em Portugal, com as urgências condicionadas a várias especialidades. As notícias dos últimos dias não auguram nada de positivo quando estamos a falar de um tema tão sensível e delicado que diz respeito à vida de todos.
Assistimos diariamente ao estrangulamento nos serviços de saúde, com vários constrangimentos ao nível da capacidade de resposta. Há hospitais que estão sem atendimento nas especialidades de pediatria ou de ginecologia/obstetrícia ou até para pacientes que sofrem AVC. “Até para estar doente é preciso ter sorte” e não sabemos como vai evoluir este cenário.

Esta semana, por exemplo, soube pela imprensa que uma equipa do INEM teve de socorrer um menino de dois anos junto à urgência pediátrica do Hospital de São Sebastião, em Santa Maria da Feira, pois aquele serviço estava encerrado. A criança tinha apresentado em casa convulsões e febre e foi levada pela mãe à unidade hospitalar, mas quando lá chegou deparou-se com a urgência pediátrica fechada e foi aconselhada a ligar para a Linha Saúde 24, que acionou o INEM. O menino foi depois assistido junto ao carro da mãe e transportado pelos bombeiros de Santa Maria da Feira para o Hospital de Gaia.
No meio deste caos, há ainda o tema badalado das gémeas brasileiras, que receberam o tratamento de 4 milhões de euros com alegadas “cunhas” pelo meio, mas sinceramente acho que este deixou de ser um caso de saúde e passou a ser um caso de justiça. Agora investigue-se e que sejam apuradas responsabilidades.

Com a tempestade que assistimos nos hospitais, ainda assim, importa louvar a disponibilidade, empenho e esforço dos profissionais de saúde que vão aguentando as pontas de uma corda demasiado esticada. Foram os mesmos profissionais de saúde que deram uma resposta cabal no período crítico da pandemia e foram reconhecidos. Receberam palmas e muitas homenagens. Mas os profissionais de saúde não podem viver de palmas nas costas e homenagens. E é por isso que estamos a entrar numa encruzilhada no SNS – Serviço Nacional de Saúde. Precisamos de mais ação e dedicação pela parte de quem governa e dita as leis da saúde, porque neste caso não há tempo para pensar. O tempo é hoje. A esta hora, por certo, estará mais um homem ou mulher a ser salvo por um médico do SNS… ou não!

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

03 Março 2024

Revisão de contas

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login Seta perfil

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a Seta menu

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho