Correio do Minho

Braga, terça-feira

Líderes

Desprezar a Identidade, Comprometer o Futuro

Ideias

2013-12-13 às 06h00

Margarida Proença

O que faz um líder, em particular um bom líder, tem merecido uma grande atenção, e existem na verdade diversas teorias explicativas.

Para alguns, “nasce-se” líder, como se pode nascer com grandes capacidades em pintura, na música, na matemática, etc. Nesta linha um líder será sempre alguém com carisma, inteligência e capacidade para diagnosticar necessidades de mudança, influenciando ativamente a sua implementação, quase com uma “inspiração divina” como lhe chamava Carlyle. É a mitologia dos “grandes homens”, como Alexandre o Grande, Júlio César, mais recentemente personalidades como Gandhi ou Lincoln.

Os “líderes efetivos” são personalidades íntegras, otimistas, bons comunicadores, que confiam nas suas capacidades e inspiram a ação, que apoiam os seus colaboradores e não têm medo de tomar as decisões que consideram necessárias e corretas. Esta abordagem foi muito popular no século XIX, mas está ainda muito presente na forma como pensamos os heróis e como olhamos para os líderes.

Para outros, a liderança resulta de traços de personalidade enquanto características relativamente estáveis que levam a que as pessoas se comportem desta ou doutra forma; as pessoas são diversas, únicas, porque esses traços se combinam de forma diferente. Esta abordagem levou à construção e divulgação de muitos questionários para identificar os fatores da personalidade, a que as empresas de recursos humanos recorrem frequentemente.

Os chamados ‘big five’ são famosíssimos; a ideia é que existem cinco dimensões fundamentais na personalidade - equilíbrio emocional, agradabilidade, sociabilidade, adaptação à mudança e humildade - que interagem para formar a personalidade humana. No entanto, nem todas as pessoas que têm as mesmas qualidades são líderes. E essas características nascem com as pessoas , ou podem ser adquiridas, ou seja pode ensinar-se a maneira de fazer as coisas por forma a ser um líder? Muitos acreditam que sim, por isso se ensina liderança em formação profissional e executiva, já que se trata de um comportamento.

Para outros autores, ser ou não um líder depende de características que lhe são próprias, mas também das situações, do momento e da cultura, do meio envolvente, das normas pré-existentes, mesmo das pessoas com que interage. Tudo depende portanto das circunstâncias, e logo a liderança tem de ser vista de forma flexível, não é uma mera descrição de um dado conjunto fixo de características.

Mas a variedade de explicações continua. Há quem defenda que a liderança requer planeamento estratégico de longo prazo, a definição de objetivos claros e uma visão do futuro, a implementação de sistemas e processos eficientes que tornem possível mudanças significativas na organização a que se pertence, ou ainda o incentivo a “vestir a camisola” traduzindo isto um sentimento de pertença, a identidade com um grupo, uma organização, uma região, um país, seja o que for.

A maioria das abordagens à liderança entroncam no trabalho de reputados especialistas em psicologia, mas mais recentemente as teorias da gestão têm vindo a sublinhar o papel relevante de um líder na organização, na empresa , e o seu papel na definição dos procedimentos e na eficiência do seu funcionamento, na gestão dos assuntos correntes, na capacidade de inovar.
No fundo, um misto de tudo - recebi hoje uma fotografia, por mail, desses tantos e tantos que circulam por aí. Numa estrada longa, uma recta com quase uma dezena de carros potentes em fila vagarosa. À frente, um leão enorme, majestoso, imperturbável. Na fotografia vinha uma legenda: “Sigam-me. Estou á frente”.

Ser líder não é necessariamente sinónimo de grandeza; a história está cheia de indivíduos que foram líderes e contudo autocratas e mesmo ditadores. Mas são os casos dos verdadeiros líderes, aqueles que tomamos como heróis, que contribuem de forma positiva para a criação de uma identidade que pode ser global, que nos junta a todos na perceção do que é verdadeiramente importante.

Seja qual for a explicação - porque nasceram assim, porque a vida os moldou, porque as circunstâncias os definiram, porque atuaram num dado tempo e numa dada cultura, porque interagiram com outras pessoas com características particulares, abriram portas. Como Mandela.

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

25 Setembro 2018

Traição, dizem eles!

25 Setembro 2018

As receitas do IVA

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.