Correio do Minho

Braga, sábado

- +

Homenagear a nossa terra

Norte sobe no Ranking Regional de Inovação

Escreve quem sabe

2014-04-29 às 06h00

Margarida Pereira Margarida Pereira

Dia Internacional do Monumentos e Sítios. Para marcar esse dia tão importante a JovemCoop, em cooperação com a Go By Bike, realizou, no dia 19, um bici-paper que tinha como objetivo dar a conhecer uma parte da história da cidade.
O bici-paper consistiu num percurso de bicicleta onde o participante deveria passar por vários locais como o Largo da Senhora-a-Branca, a Torre de Menagem, o Jardim de Santa Bárbara, o Museu dos Biscainhos, o Parque da Ponte, entre outros. Em cada um desses locais estava disponibilizada informação para que todos respondessem a um breve questionário sobre a história do sítio onde passavam. No final da prova foram contabilizadas todas as respostas corretas, sendo o tempo da prova um fator de desempate.

Esta prova foi importante porque além de ser uma atividade familiar, onde pais e filhos se podem divertir em conjunto, e ser também uma motivação para o uso de bicicleta como meio de transporte, foi um excelente meio de valorização do centro histórico. Não é de hoje que a JovemCoop preza pela preservação e valorização do património, e o bici-paper só veio reforçar esse ideal da nossa associação. É urgente preservar Bracara Augusta, e torna-la acessível a todos. Todos os monumentos deveriam ter junto deles a sua história, o seu Bilhete de Identidade. Por exemplo, se pensarmos no Largo Carlos Amarante não existe nele qualquer referência ao Convento dos Remédios que, embora destruído, deixou vários vestígios da sua existência por toda a cidade, principalmente no Parque da Ponte.

O Convento dos Remédios foi fundado em 1544-1549, pelo Bispo D. André de Torquemada, auxiliar de D. Diogo de Sousa, que confirmou em 1547 a dita fundação, no entanto são poucos os bracarenses que sabem da sua história pois não existindo o edifício e não estando o seu local sinalizado é muito fácil que este monumento desaparecido passe despercebido na história de Braga. Por esse motivo parece-nos importante e urgente que se pense numa sinalização histórica de todos os monumentos que caracterizam, ou que outrora caracterizaram a cidade.

Mas valorizar o centro histórico não é apenas preservar o que nos foi herdado de outros tempos, é também necessário construir para que gerações futuras recebam também uma herança de um tempo recente.
A história de Braga inicia-se em Bracara Augusta e continua até aos dias de hoje, passando pela Braga Medieval e muitos outros acontecimentos que cidade viveu. Um exemplo disso é o 25 de abril, o Dia da Liberdade que foi vivido por todo o país e que há 40 anos escreveu mais uma página na história da cidade.

Como modo de celebração dos 40 anos de liberdade o Município de Braga decidiu construir património, criando uma homenagem a Francisco Salgado Zenha, um político bracarense que combateu contra o regime ditatorial vivido até à Revolução de 1974, pugando pelos ideais de liberdade e democracia.

Considerando o monumento no seu todo, parece-nos que este não se encaixa no seu enquadramento, pois as suas dimensões sobrepõem-se ao exíguo espaço onde está implantado. No entanto, não deixa por isso de ser, uma iniciativa exemplar do município que na nossa opinião deveria ser repetida mais vezes, mas tendo sempre em conta o seu enquadramento. E basta reparar como a homenagem a Francisco Salgado Zenha foi consensual, ao contrário de outras estátuas erigidas a outras personalidades. Aqui, pode-se debater a qualidade da intervenção, mas não a qualidade do homenageado. Daí que saber construir património também é uma responsabilidade para o futuro, porque a nossa história não é apenas feita dos eventos do passado longínquo.

O passado recente é, muitas vezes, obliterado pela negligência de quem acha que se podem adiar as homenagens. Por isso mesmo, é que a homenagem a Vasco Graça Moura, em vida, foi um exemplo daquilo que deve ser feito…reconhecer os feitos e as obras de quem marca a atualidade, contribuindo para o conhecimento do passado, mas obrigando a refletir na construção social para o futuro.
Esta crónica é um tributo a todos aqueles que lutaram pela nossa sociedade e merecem ser lembrados.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

28 Novembro 2020

Ilusão verde

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho