Correio do Minho

Braga, quarta-feira

Goste de si

O Estado da União

Escreve quem sabe

2016-04-24 às 06h00

Joana Silva

A autoestima, é tão valiosa no desenvolvimento infantil (dita de certa forma, o “adulto do amanhã”, desde a emoção ao comportamento), como na fase adulta. A autoestima não é adquirida à nascença, desenvolve-se sim por via dos ciclos da vida de cada um. Esta pode ser faseada, isto é, podemos ter autoestima num determinado período da nossa vida e mais adiante podemos deixar de a ter, ou vice-versa.

A autoestima é de certa forma um auto-avaliação que se baseia na história de vida e consequentemente a gestão de emoções. Uma autoestima positiva pressupõe aceitação das contrariedades da vida limites e dificuldades e a par uma perseverança extraordinária que permite vencer qualquer obstáculo. Observe aquela pessoa que afirma com um sorriso contagiante “O não é sempre garantido. Eu vou tentar na mesma.

Se der deu, se não der paciência” . Este exemplo indica que a pessoa em questão se valoriza, acredita no seu potencial. Pessoas que acreditam em si próprias são mais felizes e mais satisfeitas com a vida. Em oposto à autoestima positiva existe a baixa autoestima. A maioria dos acontecimentos pautam-se pela predominância da expressão “bicho de sete cabeças”. Desvalorizam-se e o pensamento preponderante é “Todos são melhores do que eu”.

Exemplificando, quando alguém recebe um louvor em publico (perante os colegas de trabalho), por parte de uma chefia e eis que no momento H afirma “De certeza que houve engano, porque eu não fiz nada para merecer tal - acompanhado por tremor, rubor ou palidez, desorientação ou admiração”. De ressalvar que a identificação de um comportamento de baixa autoestima é corroborado pela linguagem não-verbal (gestos e posturas) pois pode ser de ficção (ex.: aquando de sorriso e contentamento ocular).

Importa referir um outro tipo de autoestima que incide naqueles que mostram uma autoestima positiva mas no mais intimo do ser…não. Apresentam-se com uma imagem de si muito elevada face a outros, “Eu é que sou melhor” e agem de acordo com as dinâmicas vivenciais do dia-à- dia como se estivessem numa prova de desporto,como por exemplo, uma corrida, em que face a todos os participantes envolvidos, tem de vencer.

Basicamente “rivaliza” para ser o melhor seja no domínio profissional e até muito mais além, desde relações interpessoais (ter aquele amigo tido como “in” na sociedade), relação emocional ou amorosa X. Este tipo de pessoa com esta autoestima vive em função da validação dos outros. Viver neste registo não é sinonimo de felicidade. Trata-se na verdade de um arquétipo de baixa autoestima camuflada que necessita da “homologação” de terceiros. Mascaram uma baixa autoestima pela aparência de uma elevada autoestima.

Pode analisar sua autoestima realizando o seguinte teste: pegue num papel e numa caneta. Divida com um traço vertical a folha e de um a lado assinale os seus pontos fortes e do outro lado os “defeitos”. Quanto mais dificuldade tiver em assinalar as suas qualidades, ou por outro lado enumerar um “sem fim” de características negativas da sua personalidade, é um indicador de que a sua autoestima pode não estar 100% OK…

Lembre-se, acontecimentos passados “não movem moinhos”; valorize-se com virtudes e defeitos (não seja demasiado autocritico consigo, às vezes o que consideramos um defeito em nós aos olhos externos são qualidades que nos definem como carismáticos). Evite comparações com outras pessoas. As comparações só fazem sofrer e desgastar emocionalmente. Reflita qual a lacuna da sua vida e trabalhe no sentido de melhorá-lo. A autoestima é recuperável a qualquer altura da vida. Ao contrário do que se possa dizer, cada pessoa pode renascer (recuperar a auto estima) seja aos 16 aos 28, aos 42, aos 59 ou até aos 90 anos se assim o quiser e desejar a mudança). Não existem timings para voltar a acreditar… em si!!!

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.