Correio do Minho

Braga, segunda-feira

- +

Gaguices

A Biblioteca Escolar – Um contributo fundamental para ler o mundo

Gaguices

Ideias

2019-11-01 às 06h00

José Manuel Cruz José Manuel Cruz

Crónica do era-e-não-era: não estava para ser sobre a deputada Joacine, mas começarei por aí.
A disartria da tribuna é um embaraço, e não será com extensões ou suplementos que o problema terá solução conveniente. A escolha do Livre foi consciente, ou induzida pela falta gritante de quadros. Encontraram eleitorado e mártir, com a ressalva de que as dificuldades de elocução da deputada estão no polo oposto da limpidez de ideação, dela e, muito naturalmente, da força que a fez eleger.
Antes gago e arguto e honesto, que escorreito de falas e trampolineiro. Concordamos. Mas a questão não é essa, e a vitimização por holocaustos auto-induzidos não fica bem. Acredito que o Livre, que é formação de gente engenhosa, venha a encontrar resposta expedita, que contorne a fraqueza assumida do apelo à compreensão e à discriminação positiva. No limite, talvez a deputada careça apenas de uma ligeira tolerância, equivalente aquela de que gozam os demais oradores, ela para acabar um raciocínio conciso, os outros para fecharem com chave de ouro uma redundância verborreica.
Não sou dos que denigrem aquilo ou aqueles que lhe abalam os referenciais. Não me aferro a um «eu», que assumo mutável por natureza, a um status quo por definição convencional, passível de ajustes e de mudanças, por conseguinte. Por exemplo, nada me choca nas castas saias de leiga consagrada do assistente da senhora deputada, e mesmo as meias pela canela me pareceram um must. Outro não digo do rompante propositivo de acabar com a disciplina de educação moral e religiosa nas escolas públicas. Quem é o Livre, para decretar obsoletos ou obscurantistas os usos a si anteriores? A novidade não faz antinomia absoluta nem dialéctica concorrencial com a tradição – a cada um, o seu, e se o Livre não o sabe, que se cultive. Não lhes ficará mal.
Mas as «gaguices» vinham a propósito dos resultados de um estudo de carácter antropológico. Determina, quem aprofunda estes assuntos, que os coissã serão a linhagem mais antiga de homo sapiens-sapiens à face da Terra. Os coissã também foram conhecidos como bosquímanos e, anteriormente, como hotentotes. Habitarão, ainda hoje, entre a Namíbia e o sul de Angola. Dos holandeses, que em tempos tentaram uma colonização destas paragens, receberam o epíteto de hotentotes, neologismo eliciado a partir do verbo «gaguejar», na límpida língua dos intrusos.
Os coissã seriam gagos, ou a eles assimiláveis, segundo a visão avisada dos holandeses, unicamente porque os forasteiros não estavam capazes de enquadrar e apreender uma língua que funcionava com parâmetros distintos, com marcadores vocálicos que, à falta de melhor descrição, os colonos solenizaram como gaguices.
O enigma, a incompreensão, que por excesso deveria magoar os iluminados que aportavam da Europa, engendrou uma etiqueta pejorativa. Não que os coissã se sentissem menorizados por isso, pois se nem os entendiam. Curioso: o que teriam eles chamado aos nossos competidores de então?
Desemboco na ideia de que nem sempre estamos à altura dos desafios, e que facilmente podemos cair em simplificações que outros entendam como lesivas da sua reputação. Tal como os coissã, admito e desejo que a deputada Joacine passe indiferente a quanto dela se venha a caricaturar, e que ninguém da sua entourage se dê às maçadas de puxar galões de ofendido, sempre que um deslize assome à superfície.
Nem sempre estamos à altura dos desafios, é verdade. Convém, paralelamente, que não culpemos terceiros, por aquilo que nos escapa, fruto de uma que outra limitação lamentável.

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

30 Novembro 2020

Um Natal diferente

29 Novembro 2020

O que devemos aos políticos

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho