Correio do Minho

Braga, sábado

- +

Flexibilidade comportamental em tempo de pandemia

Orçamento de Estado de 2021 é um orçamento de continuidade?

Flexibilidade comportamental em tempo de pandemia

Voz às Escolas

2020-10-01 às 06h00

Ana Maria Silva Ana Maria Silva

Desde 2018, que a palavra flexibilidade faz parte do ambiente escolar. As práticas pedagógicas têm vindo a ser moldadas à luz deste conceito e o recurso a metodologias ativas tem ganhado adeptos entre alunos e professores. A organização dos espaços escolares é pensada para permitir que as atividades letivas se desenrolem numa lógica de articulação curricular onde os alunos produzem conhecimento, onde são preparados para aprender a aprender e a tornar-se empreendedores, onde aprendem a estar preparados para ajudar e a ter espírito crítico.
E a vida da escola também é caracterizada pela convivência. A companhia de alunos, professores, pais, pessoal não docente, faz da escola um lugar de interacções sociais indispensáveis a um crescimento saudável e harmonioso. Ao longo dos anos, a ESMS tem procurado criar oportunidades para que a convivência entre todos os que a frequentam fosse uma prática saudável. Todos os projectos que desenvolvemos com os nossos alunos, todas as actividades que realizamos, são pensados para despertar neles sentido crítico, sentimentos de preocupação com o mundo que os rodeia e com as fragilidades dos seres humanos mais desfavorecidos. Sobretudo, ajudá-los a aderir a causas pelas quais vale a pena lutar.
Mas este ano letivo as aulas iniciaram-se de uma forma atípica. Foram muitos os que chegaram de novo e muitos os que se reencontraram, sem abraços de reencontro.
Esta nova forma de estar na escola cria desconforto e exige, de todos, uma enorme aceitação da insegurança que sentimos no olhar daqueles que chegam pela primeira vez. A escola transforma-se num espaço enorme em que o sentido de pertença fica difícil de construir.
Queremos acreditar que vamos conseguir responder com sabedoria às adversidades que este novo ano nos está a colocar.
Enquanto profissionais de ensino, vamos ser capazes de mostrar uma grande flexibilidade comportamental para estar ao lado dos alunos à procura de caminhos novos, para abrir espaços largos para superar as dificuldades que possam surgir. Acima de tudo, vamos estar altamente focados no grupo, como se cada um dos nossos alunos fosse o mais importante.
O acolhimento que fizemos aos nossos alunos procurou ser o mais personalizado possível. A máscara não nos permite ver as suas expressões, que nós acreditamos serem de contentamento. A opção pela Martins Sarmento faz deles jovens comprometidos que acreditam no valor do trabalho e da responsabilidade coletiva pela construção do conhecimento. Também queremos acreditar que o acolhimento aos seus pais e encarregados de educação foi o melhor que pudemos fazer. Com eles queremos fazer esta caminhada e abrir espaços largos para superar dificuldades. Temos de ser parceiros no percurso escolar dos seus filhos.
Neste momento, só nos falta o movimento e a sonoridade do convívio a que nos acostumamos. Os espaços estão vazios de pessoas e o trabalho passou a ser mais individual. Tudo parece acontecer em contraciclo.
Desejávamos trabalhar de forma coletiva, trabalhar em projeto!
A Estratégia de Educação para a Cidadania da Escola, que a ESMS tem vindo a pôr em prática, vai ao encontro desse desejo.
Uma vez mais, os alunos são desafiados a pensar em projetos que os possam ajudar a preparar-se para enfrentar os desafios do mundo global em que se inserem. Somos uma escola que continua a acreditar que devemos promover uma sociedade inclusiva, plural, ética, digna e socialmente responsável para com os seus. Para com o bem comum. A excelência que procuramos, deve ser técnica e científica, mas também humana. Recordando o pedagogo brasileiro Paulo Freire: “a educação não transforma o mundo. A educação muda as pessoas e as pessoas transformam o mundo”.
Os professores da ESMS vão continuar a trabalhar com os jovens, a escutá-los e a caminhar com eles na assunção de compromissos.
Vai ser fundamental a flexibilidade e a articulação curricular nas atividades pedagógicas, mas, acima de tudo, muita flexibilidade comportamental para, em conjunto, vencermos os diferentes (e imprevisíveis) desafios que irão surgir ao longo deste atípico ano escolar.

Deixa o teu comentário

Últimas Voz às Escolas

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho