Correio do Minho

Braga,

Férias à beira mar

Macron - Micron

Conta o Leitor

2012-07-01 às 06h00

Escritor

Por Maria Helena Amaro

Diante de meus olhos, estende-se um panorama maravilhoso, que eu mal posso admirar de uma só vez, tal é a emoção que me prende. O mar, este imenso lago azul, esverdeado, onde o sol põe mil cambiantes de ouro e prata, sob um céu turquesa, em pedacinhos de renda, beijando o horizonte...
A meus pés, estende-se a longa esteira cinzenta da praia, na qual se erguem, aqui e ali, sobre montículos negros, moinhos de vento, pintados de branco, de velas esfarrapadas, paus erguidos ao alto, como implorando a Deus mil bênçãos para o pão que moem. Paus erguidos ao alto, imagens vivas de esqueletos cujas formas foram belas, acenando à imensidade do oceano, num último adeus àqueles que já pereceram!...
Última recordação dos que partem para não voltar, pobres velas esfarrapadas, cansadas de acenar à imagem do passado, enterrado no mausoléu da Saudade.
A paisagem é triste e suave, como a expressão estampada nos rostos dos pescadores, que, sentados na areia, junto dos bancos, consertam redes.
Além, nos rochedos, vejo crianças quase nuas, de rostos sujos, mas de olhos calmos e transparentes de pureza, brincarem na areia húmida e fina. Até mim, vêm, à mistura com o ruído contínuo do mar, e o cheiro delicioso da maresia, as vozes das crianças, as conversas dos pescadores, num conjunto quase musical, nada monótono.
Sentada na escadaria de pedra que desce até à praia, eu olho tudo, quase feliz, entre curiosa e interessada. É belo viver! …
Demasiadamente belo, por vezes, para pensar nas lutas constantes que estes pescadores, de faces trigueiras, com traços enérgicos, têm de travar, dia a dia, com o mar.
O mar, esse maravilhoso tesouro, que dá e rouba ao mesmo tempo!...
Dá, a gemer, desfazendo-se em farrapos contra os cascos das embarcações, e rouba, soltando gritos selvagens, lançando as suas infindas garras sobre tudo que encontra no caminho, erguendo-se em ondas altaneiras, cantando vitória aos quatro ventos!...

Vai-se fazendo tarde. Um miúdo passa por mim, quase a sorrir.... Falo-lhe. Parece não compreender, mas sorri. Sorri-me muito, com uns dentes claros, sãos, junto do rosto moreno e gaiato. Afago-o, fascinada com tanta beleza. Vejo-o afastar-se de mim, correndo em direção a um grupo de mulheres, quase andrajosas, que transportam enormes redes, porventura, consertadas.
Cantam uma ária lenta, suave, embora triste. Música, que o mar lhes ensina, dia a dia... À noite, talvez, o miúdo confidencie à mãe: - «Hoje, vi uma senhora na praia, sozinha. Estava a escrever... Tinha os cabelos da cor dos rochedos mais escuros e os olhos negros como o mar, em noite de invernia... Parecia triste, mas sorriu-me e fez-me festas como tu...
Olha que era triste, mãe!...»
Sim a vida tem que ser um sorriso constante, mesmo que as nossas ilusões sejam ondas, que se desfazem em espuma, junto à praia. A vida tem que ser um sorriso, tão belo como o daquela criança, tão confiante como o dos pescadores, que lutam, dia a dia, pelo bem, pela vitória! ...
A vida tem que ser um sorriso, mesmo que os nossos braços sejam velas esfarrapadas, paus erguidos ao alto, buscando uma gota de ventura, no deserto imenso deste mundo.
Sorrir... Sorrir a Deus, erguendo a alma às alturas da vida! ... 


Deixa o teu comentário

Últimas Conta o Leitor

31 Agosto 2018

Ingratidão

30 Agosto 2018

Humanum Amare Est

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.