Correio do Minho

Braga, quinta-feira

Escrever e falar bem Português

À porta fechada

Escreve quem sabe

2018-02-11 às 06h00

Cristina Fontes

Muitas vezes, cometemos erros por desconhecimento da forma correta. Sempre vimos as palavras assim escritas ou sempre as ouvimos serem ditas daquela forma. Lê-las e ouvi-las nos órgãos de Comunicação Social ou em páginas das redes sociais pode, inclusivamente, reforçar as nossas certezas e perpetuar o erro.
Uma casa portuguesa (de milhões) concerteza.
Este título do jornal Correio da Manhã, de 6 de agosto de 2017 (http://www.cmjornal.pt/mais-cm/domingo/detalhe/uma-casa-portuguesa-de-milhoes-concerteza (acedido em 23/01/2018), é o ponto de partida para o artigo de hoje.

A forma correta é com certeza. Trata-se de uma locução adverbial composta pela preposição com e pelo nome certeza e pode ser substituída por certamente. Apesar de a locução ser mais utilizada com a preposição com, alguns dicionários registam de certeza, com a preposição de.
Outro erro muito frequente é a confusão instalada entre mal-estar e *mau-estar.
A página da RTP Açores destaca um artigo intitulado Há mau estar na UGT dos Açores, admite o Presidente do Conselho Geral, publicado a 12 de novembro de 2017 (https://www.rtp.pt/acores/politica/ha-mau-estar-na-ugt-dos-acores-admite-o-presidente-do-conselho-geral-video_55935, acedido em 23/01/2018).
O correto é mal-estar, pois mal opõe-se a bem. Neste caso ficaria bem-estar. Mal-estar significa uma indisposição, um incómodo, um não estar bem. Mal e bem são advérbios. Mau e bom são adjetivos.
Mal-estar é um nome comum masculino. A maioria das palavras compostas que se iniciam com mal são adjetivos (mal-acabado, mal-acostumado, maldisposto).

A este propósito, consulte-se a Base XV, do AO de 1990, sobre o uso do hífen em compostos, locuções e encadeamentos vocabulares: emprega-se o hífen nos compostos com os advérbios bem e mal, quando estes formam com o elemento que se lhes segue uma unidade sintagmática e semântica e tal elemento começa por vogal ou h. No entanto, o advérbio bem, ao contrário de mal, pode não se aglutinar com palavras começadas por consoante. Eis alguns exemplos das várias situações: bem-aventurado, bem-estar, bem-humorado; mal-afortunado, mal-estar, mal-humorado; bem-criado (cf. malcriado), bem-ditoso (cf. malditoso), bem-falante (cf. malfalante), bem-mandado (cf. malmandado), bem-nascido (cf. malnascido), bem-soante (cf. malsoante), bem-visto (cf. malvisto).
Obs.: em muitos compostos o advérbio bem aparece aglutinado com o segundo elemento, quer este tenha ou não vida à parte: benfazejo, benfeito, benfeitor, benquerença, etc.
Com base no abordado nos parágrafos anteriores, terminamos com Bem-vindo e Benvindo. Infelizmente, não são raras as vezes que vemos placas de boas-vindas como as reproduzidas.

Uma pesquisa rápida pela internet também nos permite constatar que há várias páginas que nos saúdam com benvindos ou bem vindos. Algumas de referência ou de empresas (Benvindo ao MSN Finanças, página da Microsoft, em https://support.microsoft.com/pt-pt/help/2999547/welcome-to-msn-money, acedido em 23/01/2018).
Quando designa a saudação de boas-vindas, a palavra escreve-se com hífen. Bem-vindos é elipse (quando o verbo não está expresso) da frase sejam bem-vindos. De salientar, que o segundo elemento da palavra concorda em género e número com o sujeito (ele é bem-vindo, ela é bem-vinda, eles são bem-vindos, elas são bem-vindas).
Benvindo é um nome próprio, tal como o feminino Benvinda.

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

29 Junho 2018

Gente sem pó

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.