Correio do Minho

Braga, quarta-feira

- +

Enxaqueca: muito mais que uma dor de cabeça

Poderá o phygital acentuar a relação dos leitores com as suas bibliotecas?

Enxaqueca: muito mais que uma dor de cabeça

Voz à Saúde

2021-05-04 às 06h00

Cátia da Silva Teixeira Cátia da Silva Teixeira

Aenxaqueca é um dos tipos de cefaleia - termo utilizado para descrever uma sensação de desconforto ou dor de cabeça - mais comuns, podendo-se apresentar de cerca de vinte formas diferentes. Faz parte do grupo denominado cefaleias primárias, o que significa que se trata de uma doença e não o sintoma de outra doença, não implicando por isso outros problemas de saúde.
Mas afinal, o que a pode diferenciar de uma dor de cabeça comum? A frequência. A enxaqueca manifesta-se através de crises prolongadas de fortes dores de cabeça que podem durar de 4 a 72 horas e afeta maioritariamente indivíduos entre os 15 e os 40 anos. Estima-se que entre 8 a 15% da população ocidental sofre de enxaquecas, sendo as mulheres duas a três vezes mais afetadas que os homens.
E quais são os sintomas típicos da enxaqueca? Podem ser desde dores de cabeça palpitantes que agravam na presença de luz ou de ruído, náuseas e vómitos. Em alguns casos, podem existir também sintomas neurológicos, denominados de "aura", que incluem visão deturpada, dormência, falta de força de um lado do corpo, distúrbios de memória e desorientação.
Como se pode aliviar os sintomas? Infelizmente, a enxaqueca não tem cura, mas os seus sintomas podem ser aliviados. Quem sofre de enxaquecas de forma habitual deve encontrar formas de atacar as crises:
1. Antecipar Por norma, as pessoas tendem a prolongar a dor, pensando que é apenas uma normal dor de cabeça que acabará por passar. Aconselha-se que tome cedo um medicamento que alivie a dor e evite intensificar o desconforto.
2. Perceber o porquê se sofre de enxaquecas frequentemente, é importante compreender que tipo de comportamentos ou, por exemplo, alimentos podem ter provocado esta crise dolorosa. É útil registar esses comportamentos e procurar associações que justifiquem a crise de enxaqueca.
3. Dormir é muitas vezes o melhor remédio e, neste caso, é mesmo. Aliado à ausência de luz, descansar duas ou três horas pode ajudar no alívio dos sintomas.
4. Medicamentos analgésicos simples e anti-inflamatórios costumam ser eficazes contra crises de enxaquecas leves e moderadas. Em caso de dúvida, contacte o seu médico assistente, que lhe indicará um medicamento mais eficaz.
Não se esqueça: a prevenção é a melhor saúde!

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho