Correio do Minho

Braga, sexta-feira

Economia circular

As Bibliotecas e a cooperação em rede

Ideias

2016-02-17 às 06h00

Pedro Machado

Recentemente, a Comissão Europeia adotou um ambicioso pacote sobre economia circular, com o intuito de promover a reutilização sustentável dos produtos.
Atualmente, o chamado desenvolvimento sustentável é o único capaz de preservar os recursos naturais e as condições de vida saudável, para as gerações futuras.
Este tipo de desenvolvimento é um desafio para a economia, até agora assente no modelo: “produz, utiliza, deita fora”, na qual todos os produtos terão um fim de vida útil, tornando-se resíduos. No entanto, este modelo não é sustentável, a longo prazo.

Devemos procurar um novo modelo que procure preservar e manter o valor dos recursos no seu conjunto, em detrimento do seu simples consumo. A economia circular vem direcionar o foco para a reutilização, recuperação e reciclagem, um novo paradigma em que os resíduos se tornam recursos.
Através da economia circular, o ciclo de vida dos produtos é alargado através do design do produto que é feito de forma a facilitar a sua reparação, a sua durabilidade e a gestão dos resíduos. Conceitos como partilha ou segunda-mão, onde os “consumidores se tornam utilizadores', são outras das caracteristicas deste tipo de economia.

Este tipo de abordagem, abre as portas a novas oportunidades de negócio e, consequentemente à criação de mais emprego.
A concretização da transição para uma economia circular contribuirá para criar uma nova geração de inovadores europeus.
A União Europeia tem ido ao encontro da economia circular ao estabelecer uma hierarquia da gestão de resíduos e metas ambiciosas de reciclagem.

A prioridade máxima é a prevenção da produção de resíduos. Quando a produção não pode ser minimizada, privilegia-se a reutilização e, posteriormente, a reciclagem e outros tipos de valorização, nomeadamente energética.
A deposição de resíduos em aterro deve ser reduzida ao mínimo indispensável e é considerada como última opção de tratamento de resíduos. Até 2020, apenas 10% dos resíduos deverão ter como destino final o aterro sanitário.

No fundo, a economia circular baseia-se na utilização inteligente e sustentável dos recursos, convertendo o desperdício em riqueza.
Como alternativa à economia do desperdício é necessário, se pretendemos ter futuro, um novo paradigma, a economia da preservação.

Deixa o teu comentário

Últimas Ideias

14 Dezembro 2018

Amarelos há muitos...

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.