Correio do Minho

Braga, terça-feira

E agora, programar para compensar!

Sem Confiança perde-se a credibilidade

Voz às Escolas

2014-11-03 às 06h00

Maria da Graça Moura

Finalmente, encontram-se colocados todos os professores necessários para a lecionação das diferentes disciplinas curriculares dos alunos do ensino básico no Agrupamento de Escolas André Soares! Novembro começa com a serenidade fundamental para garantir boas aprendizagens e, consequentemente, bons resultados!

E, se não importa agora insistir no que aconteceu, importa muito remediar o que não aconteceu!
Não sendo, de longe, a maioria, há um número significativo de alunos que começaram tardiamente as aulas de algumas disciplinas, preocupantemente de matemática e português, inglês e francês, e ainda ciências naturais, entre outras.

As famílias, naturalmente, pretendem conhecer o programa que as escolas prepararam para compensar a falta de aulas dos seus educandos. Mas, só agora é possível elaborar um plano equilibrado de recuperação. E, relativamente a determinados conteúdos, para a sua implementação, há necessidade de recorrer a mais recursos humanos, cuja aprovação depende de autorização superior.

A grande prioridade, neste agrupamento, serão os alunos dos anos finais de ciclo, concretamente, quarto, sexto e nono ano. São alunos sujeitos a avaliação externa no final do ano letivo, em condições idênticas a todos os que começaram normalmente. Por isso, serão estes os primeiros beneficiados com um plano sustentado, acordado com os próprios e os seus encarregados de educação.

Evitaremos provocar a ansiedade de terem que “apanhar” os seus colegas a todo o custo, e evitaremos também a sobrecarga de trabalho, que poderia prejudicar o seu rendimento normal de aprendizagem. Relativamente aos alunos dos restantes anos de escolaridade, este plano será implementado durante o ciclo, programando faseadamente a lecionação dos conteúdos curriculares em falta. Assim, garantidamente, os alunos nem se aperceberão de que estão a ser alvo de uma programação diferente dos seus colegas.

O empenho dos profissionais da educação do agrupamento aumentou na proporção da necessidade de resposta a todas as necessidades! A falta de professores foi, grande parte do tempo e dos casos, minimizada pelo trabalho daqueles que já se encontravam na escola, sujeitos a um acréscimo de trabalho, quantas vezes de voluntariado!
Foi pela dedicação de todos que o ano começou sem maiores atropelos, foi pela vontade de todos que o número de alunos prejudicados foi o menor possível!

E, por toda esta vontade de normalizar, de assegurar um sereno ambiente de trabalho aos nossos alunos, precisamos do apoio das famílias, responsabilizando os seus educandos e incutindo neles a convicção de que aprender acarreta, também, muito trabalho e muito esforço!
A escola é o lugar, por excelência, de formação para a vida! De crescimento saudável e de integração social! O contrato de autonomia responsabilizou profundamente as escolas que o assinaram transferindo, para cada uma, acrescida preocupação com os resultados.

O nosso compromisso, de aumentar os índices de sucesso escolar numa percentagem ambiciosa, não deve ser colocado em causa! Por isso o esforço de todos será maior ainda!
Dos alunos, professores, assistentes operacionais e técnicos, pais e encarregados de educação e toda a comunidade envolvente, em parceria para uma melhor educação!

Deixa o teu comentário

Últimas Voz às Escolas

17 Setembro 2018

“Bons e maus Papeis”

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.