Correio do Minho

Braga, sexta-feira

Doutor estou com dor a urinar…

Jornais centenários: unanimidade no Parlamento

Voz à Saúde

2016-12-20 às 06h00

Bruno Melo

A infeção urinária é definida pela presença de bactérias no sistema urinário.
Dependendo da sua localização, esta é denominada por uretrite (na uretra), cistite (na bexiga) e pielonefrite (no rim).
A mulher é mais propensa a ter infeções urinárias, devido à sua anatomia - apresenta maior proximidade da uretra (canal condutor que leva a urina da bexiga para o exterior) com o ânus (orifício no final do intestino grosso por onde as fezes e gases intestinais são eliminados) e com a vagina, e tem uma uretra mais curta do que a masculina, o que permite que os microrganismos atinjam mais facilmente a bexiga.

A infeção urinária pode ter várias causas, a salientar os hábitos de higiene inadequados, a obstrução urinária, algaliação, o aumento do número de relaçõ-es sexuais, incontinência urinária.
Os sintomas desta patologia podem englobar a disúria (dor, ardência a urinar), polaquiúria (maior número de idas à casa de banho e micções de pequena quantidade), urgência em urinar, alterações na cor e/ou cheiro da urina, dor no hipogastro (parte inferior da região abdominal), dor lombar, febre e calafrios (arrepios).

O diagnóstico desta patologia é baseado principalmente pelos sinais e sintomas do doente. Em algumas ocasiões é necessário recorrer a meios complementares de diagnóstico para avaliar o agente responsável pela infeção, como ocorre, por exemplo, nos casos de infeção de repetição.
O tratamento desta patologia consiste na toma de antibiótico, de antipiréticos (na presença de febre) e na hidratação (ingestão de água).

De salientar que durante os episódios de cistite é recomendado evitar a ingestão de líquidos e alimentos que possam irritar a bexiga, como o chá, café, álcool, frutas cítricas (limões, laranjas, tangerina, clementinas, toranjas, limas) e condimentos (como a pimenta).
E deve estar o leitor a perguntar-se sobre as formas de prevenção da infeção urinária.

Neste sentido, é importante que haja uma boa hidratação, uma higiene íntima adequada (limpar a região com papel higiénico da vagina para o ânus e, não, ao contrário), após relação sexual deve-se lavar a região genital e realizar uma micção, evitar longos períodos de tempo sem esvaziar a bexiga, evitar o uso de roupas íntimas com material sintético em vez do algodão.
Em caso de dúvida, aconselhe-se com o seu médico. Cuide de Si! Cuide da sua saúde!

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.