Correio do Minho

Braga, terça-feira

Dia Mundial da Alimentação: preço dos alimentos... da crise à estabilidade

Obrigado, Pedro Passos Coelho

Escreve quem sabe

2011-10-16 às 06h00

Ana Ni Ribeiro

A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), desde 1979, comemora no dia 16 de Outubro, o Dia Mundial da Alimentação.

Principais Objectivos do Dia Mundial da Alimentação

• Desenvolver medidas para combater a fome e sensibilizar as pessoas para adopção das mesmas;
• Sensibilizar as pessoas para necessidade da produção agrícola e estimular os apoios nacionais, bilaterais, multilaterais e não-governamentais para este fim;
• Ajudar no desenvolvimento de novas tecnologias em países subdesenvolvidos;
• Sensibilizar todos os países para importância da ajuda nacional e internacional na luta contra a fome, subnutrição e pobreza;
• Estimular participação da população rural nas decisões e actividades que influenciam as suas condições de vida.

“Preços dos alimentos: da crise à estabilidade” foi o tema escolhido do Dia Mundial da Alimentação deste ano para provocar a reflexão sobre as causas da alteração dos preços e a importância da adopção de medidas estruturais que alterem esta situação, que traz vulnerabilidade ao sistema alimentar global. De acordo com o Banco Mundial, entre 2010 e 2011 os aumentos dos preços dos alimentos deixou quase 70 milhões de pessoas em pobreza extrema.

A insegurança alimentar e nutricional não resulta apenas da desnutrição por escassez ou falta de alimentos. Há também um aumento de doenças resultantes da presença de produtos tóxicos nos alimentos, além das altas taxas de excesso de peso e obesidade que preocupam e requerem medidas consistentes de reversão a curto e médio prazos.

Os dados mostram que há um número crescente de vítimas de ambas as formas de insegurança alimentar e nutricional. Esta situação tem estreita relação com o modelo de produção agrícola que concentra terra, renda, tecnologias, patentes das sementes e medicamentos. Ou seja, as cinco ou seis principais empresas multinacionais que produzem e controlam as sementes transgénicas, os agrotóxicos e agroquímicos nocivos à saúde humana são as mesmas que controlam a indústria de medicamentos para “curar” os efeitos de seus danos, alimentando este círculo vicioso.

Actualmente, vivemos sob a pressão das crises económica, alimentar, climática e energética. Estas crises requerem discussões que apontem soluções articuladas entre si, com alternativas de soberania e segurança alimentar e nutricional que respeitem a realidade de cada povo e região.
Portanto, aproveitemos para reflectir em nossas casas, ambientes de trabalho, círculos de relações e organizações para estimular debates proactivos sobre a importância de fazermos a nossa parte nas mobilizações e lutas locais e mundiais pela efectivação do direito humano à alimentação adequada e saudável como um direito humano e um requisito fundamental para viver com dignidade.

Se pretende obter informações sobre Nutrição ou outros assuntos relacionados, envie as suas questões para:
anapimentaribeiro@gmail.com

Deixa o teu comentário

Últimas Escreve quem sabe

20 Fevereiro 2018

Amor Patológico

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.