Correio do Minho

Braga, terça-feira

- +

Braga e a Rampa da Falperra

COVID-19: Quem testar? Que testes usar?

Braga e a Rampa da Falperra

Ideias

2019-12-06 às 06h00

Carlos Vilas Boas Carlos Vilas Boas

Foi tornado público que no passado dia 4 de dezembro de 2019, o Conselho Mundial da FIA ratificou a deliberação de 6 de novembro de 2019, de atribuição do FIA Hill Climb Masters à Rampa da Falperra em 2020.
Descendente da Rampa de Braga, a Rampa da Falperra surge verdadeiramente em 1950, tendo desde 1976 como organizador desportivo o Clu-be de Automóvel do Minho (CAM), ganhando um estatuto internacional a partir de 1978.
A minha geração cresceu com a Rampa da Falperra, que alcançou um nível mítico, desde a minha adolescência que me lembro de subir a pé, ainda de madrugada, os montes da Falperra até chegar à curva do Restaurante, onde habitualmente via os bólides passar.

Durante os últimos 25 anos como membro dos órgãos sociais do CAM, desde 2008 como presidente da Mesa da Assembleia Geral, assisti a muitas alterações no clube e ao seu forte crescimento na segunda metade da década de 1990, sob a liderança de Alfredo Barros, principal mentor do circuito Vasco Sameiro em Braga, a quem o município homenageou, justamente, dando o seu nome a uma avenida da cidade e vi findar em 2001 a realização da Rampa, motivada pela decisão da RTP em interromper as emissões diretas da prova, o que então inviabilizou a sua organização por razões financeiras – sem transmissão televisiva os apoios publicitários e as inscrições mostraram-se insuficientes para a cobertura das despesas.

Em 2010 O CAM voltou a realizar a Rampa, mantendo-a desde aí, integrando o Campeonato Europeu FIA de Montanha e o Campeonato Português de Montanha, reassumindo-se como ex-libris do clube. A rampa tem sido sucessivamente nomeada como evento desportivo do ano na Gala do Desporto, tendo ganho num dos anos. A sua importância extravasa a cidade - recordo-me que o ano passado apresentei-me à então secretária do Estado do Turismo Ana Mendes Godinho, atualmente ministra e quando lhe falei na Rampa interrompeu-me, dizendo que nem precisava de falar, quem é que não conhecia a Rampa da Falperra – e o país, a ela acorrendo 200.000 aficionados todos os anos, sendo dezenas de milhar da vizinha Espanha.

Com a atribuição do FIA Hill Climb Masters em 2020, o estatuto mítico da Rampa sobe ainda mais um nível. Este evento de prova única acontece desde 2014 e de dois em dois anos, reunindo os vencedores dos campeonatos nacionais reconhecidos pelas suas federações, bem como os vencedores do Campeonato, Challenge e Taça da FIA, onde cada um dos campeões terá de correr ao volante do carro que usou durante a temporada.
Em 2018 o Masters realizou-se na cidade italiana de Gubbio, tendo 175 inscritos provenientes de 17 nações europeias, dos quais 7 portugueses, com destaque param o bracarense José Correia. Já por aí se vê o impacto e a visibilidade que a prova terá e a projeção internacional, com evidentes repercussões positivas no aumento de turistas e investimentos estrangeiros, para a cidade de Braga. O evento não é anunciado como Masters da Falperra, mas sim como FIA Hill Climb Masters Braga 2020, como se pode consultar no cartaz colocado no site da FIA.

A prova ocorrerá em 10 e 11 de Outubro de 2020. Recebendo Braga o Masters, a Rampa de Boticas integrará, em Maio de 2020, o Campeonato da Europa FIA de Montanha, voltando o CAM a organizar em Maio de 2021 esse campeonato na Falperra, como a FPAK já confirmou. Sei que Boticas terá o apoio que necessitar do CAM nessa organização.
Não se entenda que o Masters caiu no colo do CAM. Braga concorreu com outras cidades estrangeiras à realização do mesmo a quem ganhou, fruto do empenho dos seus diretores e colaboradores, que levaram a que a Falperra tenha obtido nos últimos anos uma pontuação muito positiva, importando destacar a figura do seu atual presidente de direção Dr. Rogério Peixoto, que trabalhou afincadamente para esta vitória e tem o principal mérito do sucesso da Rampa dos últimos 2 anos.
O Masters é uma prenda que o CAM recebe e abre à cidade de Braga. Mas longe vão os tempos em que a Rampa cobria todas as despesas anuais do clube. Só com o apoio institucional público e empresarial privado será possível alcançar o sucesso que a cidade e o país merecem. ?

Deixa o teu comentário

Usamos cookies para melhorar a experiência de navegação no nosso website. Ao continuar está a aceitar a política de cookies.

Registe-se ou faça login

Com a sessão iniciada poderá fazer download do jornal e poderá escolher a frequência com que recebe a nossa newsletter.




A 1ª página é sua personalize-a

Escolha as categorias que farão parte da sua página inicial.

Continuará a ver as manchetes com maior destaque.

Bem-vindo ao Correio do Minho
Permita anúncios no nosso website

Parece que está a utilizar um bloqueador de anúncios.
Utilizamos a publicidade para ajudar a financiar o nosso website.

Permitir anúncios na Antena Minho